França usa branco novamente na decisão contra a Itália

A França vai entrar toda de branco na final da Copa do Mundo, domingo, contra a Itália, em Berlim, às 15 horas (de Brasília). Os "Bleus" repetirão, assim, o uniforme utilizado nos três jogos da fase de mata-mata, quando bateram a Espanha por 3 a 1, o Brasil por 1 a 0 e Portugal, também por 1 a 0, nesta quarta-feira, nas semifinais. A Itália jogará toda de azul. O anúncio foi feito pela Fifa na manhã desta quinta-feira. É a mesma combinação de uniformes que foi usada no último encontro entre as duas seleções em Copas: em 1998, nas quartas-de-final, a França, então anfitriã, saiu vitoriosa nas quartas-de-final nos pênaltis, por 4 a 3, após empate sem gols no tempo normal e na prorrogação. Há dois anos, quando decidiram a Eurocopa, foi a Itália quem jogou toda de branco, enquanto a França vestiu camisas e calções azuis e meias vermelhas. Naquela partida, os franceses conquistaram seu segundo título europeu, com a vitória por 2 a 1, na morte súbita. No tempo normal, a Itália abriu o placar com Delvecchio, e Wiltord marcou o gol de empate aos 48 minutos do segundo tempo. Trezeguet, aos 13 minutos do primeiro tempo da prorrogação, fez o gol de ouro. A combinação agrada ao supersticioso técnico Raymond Domenech, que nega ter escolhido o uniforme branco por esse motivo, mas diz preferir jogar com uniformes de uma cor só. O treinador também é conhecido por escolher jogadores de acordo com o signo. A Itália repete seu uniforme tradicional - a "Azzurra" - em todos os jogos da Copa. A única diferença é a cor dos calções, brancos contra a Austrália, nas oitavas-de-final, e Ucrânia, nas quartas, e azuis nas demais partidas. Na decisão de terceiro lugar, sábado, às 16 horas (de Brasília), em Stuttgart, Alemanha e Portugal usarão seus uniformes tradicionais, os mesmos que vestiram em todos os jogos neste Mundial: os alemães de branco e os portugueses do vermelho.

Agencia Estado,

06 Julho 2006 | 08h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.