Franceses buscam união de mosqueteiros para vencer

?Um por todos... e todos por um!" O lema de ?Os Três Mosqueteiros" foi adotado pelos 23 jogadores da seleção francesa nesta reta final da Copa do Mundo. Os atletas não revelam exatamente a qual frase recorrem antes das partidas como forma de motivação, mas o zagueiro Lilian Thuram deu a entender que eles foram buscar em D?artagnan, Arthos, Portos e Aramis o exemplo necessário para unir o grupo. ?Temos uma frase que usamos para nos motivar", disse Thuram. Diante do interesse dos jornalistas em saber o teor da frase, ele recuou. ?Prefiro não revelar qual é. Quem sabe depois da Copa a gente torne pública." O zagueiro, porém, deu a entender que o elenco tem mesmo se inspirado no clássico de Alexandre Dumas. A união é uma das armas da França no momento, mas nem sempre foi assim. Durante as Eliminatórias e até mesmo na primeira fase da Copa do Mundo, constantemente surgiam indícios de que o time estava rachado. A divisão teria como origem os jogadores veteranos da equipe, liberados por Zidane e Thuram, que dominariam o técnico Raymond Domenech, interferindo, inclusive, na escalação do time. Na primeira fase do Mundial a pressão aumentou, com boa parte da imprensa francesa noticiando quase diariamente detalhes do ?racha". Domenech e os jogadores sempre negaram haver desunião. ?Estamos todos focados no mesmo objetivo. Às vezes, ocorrem discussões e gritos, mas nada ultrapassa os limites do campo", afirmou na semana passada o atacante Henry. O volante Vieira foi mais incisivo: disse que as vitórias da França sobre Espanha (3 a 1, pelas oitavas-de-final) e Brasil (1 a 0, pelas quartas) só foram possíveis porque o grupo é unido. ?Sem união, não teríamos êxito." Resta saber se o lema do ?um por todos... e todos por um" vai resistir a uma eventual derrota francesa nesta quarta-feira para Portugal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.