Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Franquia de escolinhas do PSG aproveita 'Neymarmania' e mira expansão no Brasil

Unidades no Rio e São Paulo já somam quase mil matriculados; Guarulhos e Sumaré terão escolinhas em 2018

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2017 | 17h00

Alinhado em frente a um painel em que o camisa 10 do Paris Saint-Germain é figura central, um grupo de garotos responde em uníssono quem é o jogador de futebol preferido deles: “Neymar!”. Ninguém ousa contrariá-los quando o assunto é quem vai ser o melhor do mundo em 2018: “Neymar!”. Eles fazem parte de uma das turmas da PSG Academy, em São Paulo, escolinha de futebol da equipe francesa.

Com dores na coxa, Neymar desfalcará PSG neste sábado em duelo do Francês

A unidade no bairro da Pompeia iniciaria as atividades apenas em 2018, mas a transferência do brasileiro do Barcelona para o PSG há três meses fez as coisas caminharem mais rápido e, agora, cerca de 150 crianças já estão matriculadas e treinando há pouco mais de um mês no local, que passa por obras.

Os garotos de São Paulo se somam aos quase 800 atletas das três escolinhas do PSG no Rio, onde a franquia iniciou as atividades em 2014, e que abriram as portas do mercado brasileiro para a marca de Paris. O projeto de expansão prevê a abertura de cinco unidades por ano a partir de 2018. As primeiras já têm local definido: Guarulhos e Sumaré, em São Paulo. Ambas para fevereiro.

A escolinha aproveita a 'Neymarmania'. De acordo com o diretor de expansão da PSG Academy no Brasil, François Marot, a projeção de crescimento da franquia no País já estava definida antes da chegada do craque ao Parque dos Príncipes, mas a busca de atletas e de interessados em fazer parte do grupo teve um aumento significativo. “A transferência do Neymar veio no momento certo”, diz Marot. “A gente percebe um aumento. O número de atletas dobrou e o impacto chega a ser ainda maior na procura de novos possíveis franqueados.”

O investimento para abrir uma unidade da PSG Academy é de cerca de R$ 200 mil. A oportunidade vem despertando interesse principalmente de empresários, donos de complexos esportivos e que já têm experiência com escolinhas de futebol ou no aluguel de campinhos.

Para treinar na escolinha, o valor varia de acordo com a unidade. Em São Paulo, os pacotes anuais vão de R$ 3.000 a R$ 6.800, dependendo do tempo de treino por semana e a forma de parcelamento. O procedimento de entrada é padrão: interessados, de 5 a 15 anos, fazem teste que avalia o nível técnico e tático para definir sua turma.

A franquia garante que a metodologia de treino na escolinha é a mesma aplicada nas categorias de base do PSG. Os instrutores das unidades participam de treinamento em Paris e aplicam a filosofia do clube nas escolinhas. A perspectiva de ter um trabalho similar ao de Neymar anima os garotos, que não poupam elogios à equipe parisiense.

“O PSG tem um time muito bom e é um dos melhores da Europa. Acho que pode até ganhar a Liga dos Campeões”, opina Arthur, de 11 anos. Wilton, da mesma idade, concorda que o time de Neymar deve levar tudo na temporada, e sonha com uma futura carreira como jogador. “Ainda quero jogar no PSG. O Neymar me inspira porque ele dribla bem e é um pouco fominha, como eu.”

Murilo, 11, e Davi, 9, elogiam o caráter decisivo de Neymar. “Gosto como ele faz a diferença nos jogos. Joga muito”, diz Murilo. “Ele é habilidoso, dá muitos dribles e é brasileiro. O Kurzawa não fazia tantos gols assim, e há alguns dias fez três. Neymar faz a diferença”, entende Davi.

Camisa 10, de Neymar, é a mais vendida

A transferência de Neymar para o PSG também impactou a venda de produtos oficiais do clube na França e no Brasil. A megastore do clube em Paris registrou aumento de 75% nas vendas após a chegada do craque.  Nos primeiros meses após a mudança do atleta para o futebol francês, o Estado mostrou que o ritmo de vendas da camiseta número 10 na loja do clube chegou a ser de 4 mil exemplares por dia, mais que o dobro do registrado entre 2011 e 2016.

Recentemente, o clube parisiense se tornou o primeiro da lista dos times internacionais que mais vendem camisas numa das principais lojas online de materiais esportivos da América Latina, a Netshoes. De acordo com a empresa, o Paris Saint-Germain passou da sexta posição para a primeira no ranking interno, e hoje vende quatro vezes mais camisas do que o Barcelona, que era o líder da relação – que tem Real Madrid, Bayern de Munique e o inglês Chelsea completando os cinco primeiros.

Mais conteúdo sobre:
Paris Saint-Germain Neymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.