Fravre: o término do elo entre o passado e o presente da NFL

Depois de 17 temporadas, astro do futebol americano opta pela aposentadoria por cansaço mental

Alan Rafael Villaverde, estadao.com.br

04 de março de 2008 | 17h27

Morry Gash/AP Quarterback fez história em 17 anos na NFLSÃO PAULO - "Eu sei que consigo jogar, mas é como eu disse a minha mulher. Eu estou mentalmente cansado. Eu estou cansado", disse o quarterback Brett Favre, do Green Bay Packers, numa mensagem de voz gravada no telefone do jornalista da ESPN, Chris Mortensen. Depois de 17 temporadas, Fravre, de 38 anos, decidiu pela aposentadoria; uma decisão muito difícil dado o interesse do atleta pelo futebol americano e sua conexão entre o presente e o passado de tal esporte, uma vez que seu estilo de jogo não é mais visto nos novos quarterbacks da NFL.Favre, que chegou a fazer uma ponta no filme "Quem vai ficar com Mary?", é amado pelos fãs do futebol americano por representar a essência do esporte: a determinação, que é comprovada através de seus recordes. O quarterback dos Packers detém o recorde de maior número de touchdowns, com 442 contra 420 de Dan Marino, ex-Miami Dolphins. Mas o que mais impressiona é o recorde de jogos consecutivos. Muitas vezes machucado, Fravre entrou em campo e enfrentou a ferocidade dos defensores, realizando nada menos do que 275 jogos. Chegou, inclusive, a jogar com dedos quebrados e costelas trincadas."Se eu sentir que devo voltar - e Deanna [sua mulher] e eu conversarmos sobre isto - a única chance de voltar seria para vencer o Super Bowl. Para chegar até o Super Bowl e perder seria tão ruim quanto simplesmente não jogar bem. Qualquer coisa que não fosse o Super Bowl seria considerado um fracasso pra mim", disse o quarterback, na mensagem deixada para o jornalista da ESPN.Numa comparação grosseira, Fravre está para o futebol americano como Romário está para o futebol. Ambos possuem estilos considerados antigos, mas insistem em realizar aquilo que mais gostam, mesmo diante das críticas. Antes da temporada 2006/07, Favre não tinha sequer um lugar garantido no time titular dos Packers, que haviam feito uma campanha ridícula na temporada anterior. Apesar de tudo ser desfavorável, Brett Favre retornou e levou o Green Bay Packers à final da Conferência Nacional, perdendo na prorrogação para o New York Giants, que viria a ser o campeão do Super Bowl. Muitos, assim como Fravre, acreditavam que sua carreira teria um final feliz, ao melhor estilo "Disney", com ele erguendo o troféu de campeão do Super Bowl. O sonho quase se tornou realidade, e isto foi a gota d'água para o jogador. Chegar tão perto e ver o sonho escapar através de um field goal adversário foi demais para o seu ego e, aí, a decisão de se aposentar do jogador que conquistou três títulos de MVP (Jogador mais valioso da temporada).Esta não é a primeira vez que Favre anuncia sua aposentadoria, assim como Romário, mas a própria direção do clube de Green Bay dá como certa o término da carreira do atleta.Em 17 anos à frente do comando dos Packers, Favre, além dos 442 touchdowns, é o recordista de jardas lançadas, com 61.655. Também é o recordista de passes interceptados, com 288, deixando claro seu estilo "maluco" de decidir partidas através de lançamentos, deixando de lado um pouco da tática utilizada pelos treinadores da NFL. Além disso, Favre liderou os Packers a dois Super Bowls, em 1997 e 98, conquistando o título na primeira tentativa.Mas nem tudo em sua carreira foi maravilhoso. Antes mesmo de ser escolhido pelo Atlanta Falcons no Draft da NFL em 1990, Favre quase morreu num acidente automobilístico no último ano da universidade (Southern Mississippi). Depois, Favre lutou contra o vício no analgésico Vicodin e teve que ver sua mulher batalhar contra um câncer de mama, em 2004, além de suportar a perda de seu pai em 2003. Para completar o cenário de dificuldades em sua vida particular, Favre viu sua cidade natal, Kiln, em Mississippi, ser totalmente destruída pelo furacão Katrina, em 2005.O episódio envolvendo a morte de seu pai ilustra muito bem o que o futebol americano representa para Brett Favre que, um dia após o falecimento de seu ente mais querido, jogou pelos Packers diante do Oakland Raiders no Monday Night Football (jogo especial, que acontece às segundas-feiras). Neste jogo, ele lançou a bola para 399 jardas e conquistou quatro touchdowns na vitória por 41 a 7. Assim que o apito final foi dado, Favre não conteve as lágrimas e revelou que o desejo de seu pai seria aquele: ver seu filho jogar.

Tudo o que sabemos sobre:
NFLBrett FavreGreen Bay Packers

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.