Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Fred critica presidente do Cruzeiro e diz que rescisão foi a única opção

'Bases do meu contrato com o Cruzeiro seguem o padrão estabelecido ao longo de minha carreira, sem nada que possa ser considerado aberrante, anormal', afirma atacante

Redação, Estadão Conteúdo

20 de julho de 2020 | 18h22

O atacante Fred enfim se pronunciou sobre o imbróglio em que está envolvido com o Cruzeiro, clube do qual se desvinculou para assinar com o Fluminense em maio, afirmando Sef esse o único caminho viável que lhe restou para seguir atuando. Na última quinta-feira, no entanto, a equipe mineira pediu a retomada do contrato com o centroavante.

Em seu comunicado, Fred critica a postura do atual presidente do Cruzeiro, Sergio Santos Rodrigues. O clube possui uma dívida elevada com o jogador, mas, em sua opinião, o dirigente busca transferir a responsabilidade pelo pagamento para a gestão anterior, afirmando nunca ter sido procurado pelo atual mandatário para uma negociação.

"Até mesmo por compreender o momento, procuro evitar debates via imprensa. Acredito que polêmicas apenas geram mais polêmicas e em nada contribuem para uma melhor solução do problema, que deve ser sempre aquela com menor desgaste possível para todos os envolvidos. Infelizmente, não tem sido essa a postura do Presidente Sérgio Santos Rodrigues, que nunca me procurou para discutir qualquer assunto relacionado ao Cruzeiro", disse.

Nos últimos dias, Santos Rodrigues afirmou que o contrato firmado pelo ex-presidente Wagner Pires de Sá com Fred foi lesivo ao clube, o que foi rebatido pelo centroavante.

"Posso dizer, com absoluta tranquilidade, que as bases do meu contrato com o Cruzeiro seguem o padrão estabelecido ao longo de minha carreira, sem nada que possa ser considerado aberrante, anormal. O processo que hoje corre perante a Justiça do Trabalho é público e os documentos estão lá à disposição de quem desejar acessá-los", disse.

Fred também apontou que o Cruzeiro não tinha interesse em sua manutenção no elenco após o rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro em 2019. E diante do impasse sobre a definição do seu futuro, precisou acionar a Justiça para deixar o clube, ou estaria colocando o futuro da sua carreira em risco.

"A decisão de ingressar na Justiça do Trabalho foi tardia e quase custou o fim precoce da minha carreira. Ao contrário da orientação dos meus advogados, confiava em uma liberação amigável, já que não era interesse do clube a minha manutenção no elenco, com ou sem a revisão das bases financeiras. Essa hesitação quase me impediu de seguir trabalhando", afirmou.

Embora tenha solicitado o restabelecimento do contrato, o Cruzeiro, de fato, não tem interesse em voltar a ter Fred no seu elenco. O plano é que o acordo seja reavaliado pela Justiça, com o clube pedindo para que os gestores anteriores - Pires de Sá e o vice-presidente de futebol Itair Machado - sejam responsabilizados pela dívida contraída com o jogador. Além disso, quer a nulidade de cláusulas, como a que levou Fred a pedir compensação de R$ 50 milhões pela rescisão do contrato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.