Fred e Julio Cesar deixam seleção após derrota na Copa

Campeões da Copa das Confederações em 2013, atletas decidiram deixar a equipe brasileira para dar oportunidade a outros jogadores

Diego Salgado, O Estado de S. Paulo

05 Setembro 2014 | 07h00

Fred viveu seu maior momento na seleção brasileira na Copa das Confederações de 2013. Com ele no comando do ataque, o Brasil calou os críticos e sagrou-se campeão ao bater a Espanha por 3 a 0 no Maracanã. Na ocasião, o centroavante marcou dois gols e praticamente garantiu vaga na Copa do Mundo, um ano depois.

No Mundial 2014, entretanto, Fred não conseguiu repetir as boas atuações no time de Felipão. Com apenas um gol marcado em seis jogos, o atacante do Fluminense deu adeus à seleção logo após a derrota por 3 a 0 para a Holanda, na decisão do terceiro lugar, em Brasília. "Eu assumo a  minha parte. Queria fazer mais. Não estava machucado ou com problemas físicos. Para mim, a seleção já deu", disse em entrevista ao Estado na época.

Dois meses depois do fracasso na Copa, o atacante ainda mantém o silêncio em relação à campanha. Procurado pela reportagem, Fred, por meio de sua assessoria de imprensa, disse que prefere não falar sobre o seu momento e a aposentadoria da seleção brasileira.


A fraca campanha no Mundial também tornou-se o capítulo final da carreira de Julio Cesar na seleção brasileira. No total, o goleiro vestiu a camisa do Brasil em 87 partidas, desde julho de 2004. Após a falha contra a Holanda no Mundial da África do Sul, Julio Cesar redimiu-se ao brilhar na decisão por pênaltis contra o Chile, nas oitavas de final da Copa 2014.

Na histórica goleada contra a Alemanha, na semifinal, o goleiro nada pôde fazer nos gols alemães em pleno Mineirão. Após o jogo diante da Holanda, descartou continuar no time nacional. Segundo ele, seria egoísmo jogar a Copa América no ano que vem e não visar a Copa do Mundo de 2018, na Rússia. Julio, aos 35 anos, ressaltou a importância de dar uma chance a novos atletas e falou em "oito nomes com capacidade" para a posição. Ele se transferiu para o Benfica após o Mundial. 

Na primeira convocação após a Copa, Dunga deu sinais de renovação no gol ao convocar Rafael Cabral, campeão da Libertadores com o Santos em 2011. Aos 24 anos, o goleiro do Napoli será reserva de Jefferson nos amistosos contra a Colômbia e o Equador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.