Fred não consegue se livrar da maldição que o atingiu na Copa

Atacante do Fluminense estava em campo em 50% das vitórias do time no Campeonato Brasileiro, e marcou apenas dois gols 

Denise Bonfim, O Estado de S. Paulo

22 de agosto de 2014 | 14h24

Mesmo sustentado o time na 5.ª colocação do Brasileirão, os jogadores do Fluminense sofrem grande pressão da torcida nas Laranjeiras. Fred é o mais criticado. O atacante ainda não se livrou da maldição da Copa do Mundo, que o fez ser vaiado em quase todas as partidas do Brasil. Após o Mundial, quando disse que se recuperaria no seu clube, onde a bola chegaria com mais facilidade, Fred fez duas partida, mesmo assim é alvo principal das broncas dos tricolores, que já extrapolaram os comentários contra ele nas redes sociais e partiram, pela segunda vez, para ameaças e intimidações ao jogador.

Desde o início do Campeonato Brasileiro, o Fluminense conquistou oito vitórias. Em quatro delas, o atacante estava em campo e marcou dois gols. Titular da seleção, Fred disputou apenas sete jogos pelo clube na temporada. O Tricolor mantem-se regular no torneio. O fato é que o time não precisa tanto de Fred para se dar bem. Mas ele não tem paz nas Laranjeiras.

As cobranças se intensificaram com o fim das férias do atacante. No clássico com o Botafogo, o time não se apresentou bem, Fred passou em branco e o Fluminense perdeu de 2 a 0. Contra a Chapecoense, 12.ª colocada no Brasileirão, mais uma derrota. De volta ao Rio após aquela partida, o atacante se revoltou ao ser hostilizado por um grupo de quinze torcedores no aeroporto, e ameaçou convocar greve e não entrar em campo domingo, contra o Sport, por causa disso.

Não é a primeira vez que Fred se manifesta publicamente contra as organizadas. Em abril, durante a campanha do Fluminense que culminou com sua eliminação na Copa do Brasil, o CT do clube foi invadido por torcedores, que rodearam e sacudiram o carro do atacante. Desde então, Fred abriu briga com esse tipo de torcedor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.