Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Fred nega status de titular da seleção e tenta deixar Copa para trás

Volante do Manchester United está em alta com o técnico antes de mais dois amistosos do Brasil

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2018 | 17h26

Nome presente na lista de convocados de Tite para a Copa do Mundo da Rússia, Fred também foi lembrado pelo treinador para os amistosos de setembro da seleção brasileira e agora para os compromissos de outubro. Titular diante dos Estados Unidos e também utilizado por 45 minutos diante de El Salvador, ele deverá começar jogando na sexta-feira, quando o Brasil terá pela frente a Arábia Saudita, em Riad.

Apesar disso, Fred garante ainda não se ver com status de titular com Tite nesse ciclo para a Copa do Mundo de 2022. "Sou um dos remanescentes da Copa, fico feliz pela aposta da comissão, mas tenho de trabalhar firme porque os que estão chegando estão muito bem nos clubes e aqui", disse o meio-campista do Manchester United, em entrevista coletiva.

Esse cenário de conquista de espaço na seleção se dá após uma Copa do Mundo de sensações diferentes para Fred. Afinal, o meio-campista sofreu uma lesão durante a preparação para o torneio. E embora não tenha sido cortado por Tite, também não foi aproveitado na Rússia, por causa de suas limitações físicas.

Mas Fred destaca o desejo de deixar essas lembranças para trás. "Continuei trabalhando firme, tratando. Estava na concentração o tempo todo, consegui ficar em uma forma um pouco melhor do que quando tive a lesão, mas acho que o professor optou por me deixar junto com o grupo", afirmou.

Nos últimos meses, Fred também trocou de time, deixando o Shakhtar Donetsk para se transferir ao Manchester United. O momento do clube, porém, é complicado, com resultados ruins no Campeonato Inglês e eliminação precoce na Copa da Liga Inglesa, o que deixa o técnico José Mourinho sob risco de demissão.

Fred negou que seja um "alívio" ficar longe da crise, quando questionado sobre o tema por um jornalista inglês presente ao treino da seleção em Londres. "É bom estar na seleção, ter essa pausa. Na volta, faremos de tudo para buscar as vitórias. Não é um alívio estar aqui, é uma honra, mas quero voltar logo para nos reerguermos", comentou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.