Divulgação
Divulgação

Fred ratifica críticas à Ferj e ganha apoio de Peter Siemsen

Atacante mantém discurso e até fala em 'ex-campeonato'

Estadão Conteúdo

06 de abril de 2015 | 09h58

Expulso injustamente, em erro inexplicável do árbitro, Fred deixou o gramado na derrota do Fluminense para o Flamengo, domingo, esbravejando, dizendo inclusive que "o Campeonato Carioca tem que acabar". Momentos depois, mais calmo, o jogador voltou a falar, mas não alterou seu posicionamento inicial e voltou a criticar a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

"O que falei, não retiro. Hoje o campeonato é o ex-campeonato mais charmoso do mundo", disse. "A sensação é de impotência. É uma situação que não sou só eu que estou passando, são várias reclamações desde que o campeonato começou. Cresci ouvindo todo mundo dizer que uma imagem vale mais que mil palavras. Se encontrar um comentarista falando que mereci ser expulso, amanhã vou às Laranjeiras e peço desculpa. Infelizmente, estão tentando acabar com o campeonato que era o mais charmoso do Brasil."

Fred recebeu o segundo cartão amarelo ainda aos 28 minutos, quando o placar apontava 1 a 0 para o Flamengo, por uma suposta simulação de falta. O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães, no entanto, não viu o toque de Anderson Pico na perna do centroavante. O erro claro do juiz revoltou o jogador, que chegou a pedir apoio à imprensa para acabar com as "coisas obscuras" do Carioca.

"Tem quer acabar as coisas obscuras, todo mundo está vendo. Vocês, da imprensa, têm que ajudar. Se jogador, o Vanderlei (Luxemburgo), quem falar será punido. Nós temos poder, mas tenho que jogar bola. Quarta-feira tem jogo, estou suspenso, mas se a gente classificar tem jogo domingo. Vocês, que se esforçam para fazer leitura labial, têm que ajudar", comentou. "Não queremos nada obscuro. Para vocês (jornalistas) que investigam, nós pedimos o apoio, podem nos ajudar. Existem pessoas sérias no futebol."

As críticas de Fred foram apoiadas pelo presidente do Fluminense, Peter Siemsen. "O Fred desabafar é natural, está trabalhando duro e foi tirado em campo de forma injusta e absurda. As pessoas têm que olhar a rodada de hoje (domingo), pensar com carinho e entender essa luta de Flamengo e Fluminense no Campeonato Carioca. Tem que acabar esse tipo de ditadura, de coronel. A ditadura acabou na década de 80", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.