Fred se revolta com protesto e ameaça greve no domingo

Após derrota para a Chapecoense, delegação do time carioca é hostilizada por torcedores em seu desembarque no Rio de Janeiro

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2014 | 17h24

O atacante Fred usou as redes sociais para externar toda sua revolta com o protesto enfrentado pelos jogadores do Fluminense, nesta quinta-feira. A delegação do time carioca foi hostilizada por torcedores em seu desembarque no Rio de Janeiro, nesta tarde, menos de 24 horas depois de o time perder para a Chapecoense, em rodada do Brasileirão.

Capitão do time, Fred chamou os torcedores de "marginais, desocupados, bandidos, vagabundos" e afirmou que a equipe poderá não entrar em campo, domingo, para enfrentar o Sport.

A delegação do Flu chegou ao aeroporto pouco depois das 15 horas, e pelo menos 15 torcedores, alguns identificados com camisetas de uma das torcidas organizadas, arremessaram moedas nos jogadores. Na saída, chutaram um carro e uma van com jogadores.

Ainda no aeroporto, Fred escreveu. "Quinta-feira, 4 horas da tarde. Hora de gente séria estar trabalhando. Desembarcando após nossa viagem a Chapecó, voltando do nosso trabalho, o que eu e meus companheiros de time encontramos aqui no Aeroporto Santos Dumont? Cerca de 20 marginais, desocupados, bandidos, vagabundos tentando agredir jogador e quebrando carro de profissionais que dão duro e suam a camisa para defender o time que eles dizem amar."

O atacante classificou como "profundamente lamentável" o protesto e sugeriu até mesmo partir para a briga com os manifestantes. "Será que precisaremos juntar nosso grupo de jogadores para sair no braço com esse bando de marginais que não tem nada a perder?", questionou. "Isso pra mim é uma pouca vergonha! É inacreditável e profundamente lamentável que, em 2014, após sediar uma Copa do Mundo, o Brasil ainda conviva com essa barbárie."

No texto, o jogador garantiu ainda que, caso uma atitude não seja tomada por dirigentes e autoridades nos próximos dias, o time não entrará em campo para enfrentar o Sport, domingo, no Maracanã.

"Eles usam as armas que têm, e nós usaremos as nossas. A diferença é que somos trabalhadores honestos, já eles são a escória da sociedade. Lugar de bandido é na cadeia!

Tem imprensa pra cobrir o vandalismo dos ''torcedores'', mas não tem polícia pra cobrir o cacete nesses marginais", cobrou o atacante.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFluminenseprotestoFred

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.