JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Frente a frente, dois rivais que trocaram de papel nos últimos anos

O São Paulo vive a pior fase de sua história, enquanto o Corinthians saboreia o sucesso internacional e um período de estabilidade administrativa

Fernando Faro e Vítor Marques, O Estado de S. Paulo

27 de julho de 2013 | 22h44

SÃO PAULO - Ninguém acreditaria se há cinco anos alguém dissesse que em 2013 o Corinthians seria um modelo de administração e o São Paulo naufragaria num caos sem precedentes. Mas esse cenário não só é verdadeiro, como o abismo que separa os dois rivais parece cada vez maior. Não é exagero algum dizer que Corinthians e São Paulo trocaram de papel.

Desde a contratação de Ronaldo, no finzinho de 2008, o Alvinegro mergulhou na onda da profissionalização do departamento de futebol e colhe frutos dentro e fora de campo. De potência regional que não conseguia emplacar fora do Brasil, o Corinthians se transformou em um time temido na América do Sul ao abocanhar sua primeira Libertadores e derrotar o Chelsea no Mundial. Recentemente, juntou à coleção internacional o troféu da Recopa, conquistado justamente diante do rival de hoje.

Os investimentos passaram a surtir efeito e têm permitido voos cada vez mais altos, como a contratação de Alexandre Pato por R$ 40 milhões, valor impensável há poucos anos. O elenco é reconhecido como um dos melhores do Brasil e a equipe tem no banco nomes como Douglas, Chicão e o próprio Pato. Tudo isso sob o comando de Tite, há três anos no cargo.

Do outro lado está o combalido São Paulo, que colecionou títulos entre 2005 e 2008 e, de repente, entrou em estiagem interrompida apenas com a conquista da Sul-Americana no ano passado. O time acumula a pior sequência de derrotas de sua história (oito) e, caso não vença hoje, quebrará o amargo recorde de jogos sem vitórias – não vence há 11 partidas, marca só vista em 1951 e 1986.

Do clube já chamado de "Soberano" pela excelência na gestão do futebol, restou só o apelido, cada vez mais ultrapassado. O diagnóstico de Rogério Ceni foi duro, mas certeiro: "O São Paulo parou no tempo." Acusado de abandonar o caminho que levou o Tricolor à glória, o presidente Juvenal Juvêncio tenta colocar a casa em ordem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.