Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Frieza garante Alisson como titular na seleção brasileira

Taffarel elogia personalidade do goleiro do Internacional

Raphael Ramos - Enviado especial a Salvador, O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2015 | 07h00

Mais de um ano depois de assumir a seleção brasileira e ja ter convocado sete goleiros, Dunga parece que finalmente encontrou o seu titular para a posição. Nesta terça-feira, contra o Peru, em Salvador, pela quarta rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo, o escolhido será Alisson mais uma vez. É a terceira partida consecutiva que o jogador do Internacional começará atuando pela seleção. 

Apesar da pouca idade - tem apenas 23 anos -, chamou a atenção da comissão técnica a frieza do goleiro diante da Argentina, na última sexta-feira, em Buenos Aires. “A pressão foi grande, mas ele suportou bem e ajudou bastante a defesa. Sabíamos da pressão da Argentina, a maneira como eles jogam. Quando não conseguem na bola, eles chegam junto, são catimbeiros”, disse Taffarel, preparador de goleiros do Brasil.

Alisson ganhou a disputa com Jefferson depois de o goleiro do Botafogo não ter feito uma boa partida diante do Chile, na abertura das Eliminatórias. No jogo seguinte, contra a Venezuela, Alisson foi titular e teve atuação segura, principalmente nas bolas aéreas. Contra a Argentina, o goleiro voltou a jogar bem. “Ele mostrou personalidade. É isso que temos de ter na seleção”, elogia Taffarel.

O goleiro é visto no Rio Grande do Sul como um fenômeno. Até outubro do ano passado, era o terceiro da posição no Inter. Agora, um ano depois, é titular da seleção brasileira.

A ascensão no clube começou após uma expulsão de Dida e uma lesão de Muriel. Na seleção, ele teve sorte parecida. Além de Jefferson ter ido mal contra o Chile, o reserva imediato - Marcelo Grohe, do Grêmio - sofreu lesão no ombro durante os treinos. A vaga de titular contra a Venezuela, então, ficou para Alisson. 

“É um momento de mudança na seleção que eu vejo como afirmação para mim. Sempre tive o pensamento de estar pronto para quando as oportunidades aparecessem, porque a chance não avisa quando vai chegar. Foi assim no Inter e aqui na seleção acabou não sendo muito diferente”, disse o goleiro.

Ele trata com naturalidade a pressão de ser titular da seleção brasileira com apenas 23 anos. Diz já estar acostumado. “Goleiro cresce com cobranças desde as categorias de base. A gente é muito cobrado a não errar. É difícil chegar à perfeição, mas trabalho forte para chegar o mais perto possível. Eu me cobro muito também.”

Mais mistério. Dunga comandou um treino fechado à imprensa no domingo pela manhã na Fonte Nova. Nesta segunda-feira a seleção treinará no Estádio Pituaçu, e os jornalistas terão acesso apenas aos 15 minutos finais da atividade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.