Frings diz que suspensão teve motivação política da Fifa

O meia alemão Torsten Frings afirmou nesta sexta-feira, em entrevista publicada no jornal local Bild, que a decisão da Fifa de suspendê-lo da partida válida pela semifinal, diante da Itália, obedeceu a motivos políticos."A Fifa destruiu meus sonhos. Tudo é política. A Argentina nos ataca e os italianos se incomodam. Depois, a Fifa queria demonstrar que a Alemanha não era a preferida em seu próprio país. Foi por isso que ele impuseram a suspensão". E esclareceu: "Fui suspenso porque me defendi, depois de ter sido agredido duas vezes e chutado uma vez", afirmou o jogador, referindo-se aos incidentes ocorridos no dia 30 de junho, ao final da disputa de pênaltis que encerrou a partida entre Alemanha e Argentina, válida pelas quartas-de-final.Com relação à desculpa indireta sobre a suspensão, oferecida pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, o meia alemão disse que "é muito bom que ele se desculpe, mas isso não me ajuda em nada; ele deveria ter me eximido de culpa antes do meu próximo jogo".Frings afirmou ainda que não está preocupado com a possibilidade de vir a receber uma suspensão adicional nos próximos seis meses, se vier a ser considerado reincidente pela Fifa, porque nunca recebeu um cartão vermelho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.