Frontini se defende de acusação

Além de perder uma invencibilidade de sete jogos e sofrer a maior goleada do Campeonato Paulista, o Marília se viu, de repente, no meio de uma tremenda confusão no Morumbi. O atacante Frontini foi acusado pelo zagueiro Fabão, ainda no intervalo, de tê-lo chamado de ?macaco?. A suposta discriminação gerou polêmica fora de campo, mas foi negada veementemente pelo atacante mariliense."Ele (Fabão) foi infeliz em falar isso. Quem acompanha o dia-a-dia em Marília sabe muito bem do meu caráter", assegurou o atacante, um dos artilheiros do Paulistão ao lado de Diego Tardelli, Finazzi e Robinho. O atacante de 23 anos tem dupla cidadania, pois nasceu na Argentina e mora no Brasil há quase 20 anos. Ele, porém, não vê nenhuma ligação disso com o que teria acontecido em campo. Só confirmou que realmente falou "algo mais" para Edcarlos, do São Paulo: "Disse a ele que precisaria de calma para ser campeão. Senão o Santos ficaria com o título", numa discussão normal em campo.O presidente do Marília, Luis Antônio Duarte Ferreira, procurou ser sereno em seus comentários. Segundo ele, Fabão teria que provar o que disse "porque ninguém viu e nenhuma câmara de televisão mostrou nada". Ele ainda confirmou que multaria seu próprio jogador, caso fosse verdade, por uma atitude inconveniente. O dirigente só lamentou a goleada, a qual considerou anormal, prometendo uma reação diante da Ponte Preta, terça-feira, em Marília. "Nosso objetivo é ficar entre os cinco primeiros colocados para garantir uma vaga na Copa do Brasil", completou.O técnico Luís Carlos Martins ficou decepcionado com o resultado, mas garante que o time vai reagir nas próximas rodadas. "Tínhamos um plano de jogo, de ficar lá atrás e tentar os contra-ataques. Mas sofremos o primeiro gol com um minuto, daí tentamos a reação e ficou impossível diante de um adversário de alta qualidade técnica", explicou. "Falhamos demais, principalmente individualmente. Na segunda-feira vamos conversar, apagar tudo e começar de novo. Não jogamos bem mesmo e temos que reconhecer", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.