Fui peitar o Kia e deu nisso, diz Tite

A família do técnico Tite, que no fim do ano passado foi contra a prorrogação de contrato com o Corinthians, ficou sabendo por telefone a notícia de sua demissão: ?Eu fui peitar o Kia e deu nisso?, disse o treinador ao pai, Genor, na noite de ontem (28).O irmão e fã número 1 do técnico, Ademir Bachi, tinha receio, desde a consolidação da parceria do clube com a MSI, do que seria a convivência do treinador com o iraniano Kia Joorabchian. ?Várias vezes o Tite mostrou esse temor também, sabia que teria problemas?, contou.Kia não queria o gaúcho no cargo, mas teve de aceitá-lo porque Vanderlei Luxemburgo, o preferido, recusou a oferta, e também porque nenhum outro dos procurados, aceitou a missão.??Nos últimos tempos ele (Tite) não ligava aqui, não conversava com ninguém. E, conheço meu irmão, quando ele fica assim, é porque está algo de muito ruim está acontecendo?, disse Ademir. A gota d?água, as reclamações do iraniano nos vestiários após o clássico de domingo, na derrota por 1 a 0 para o São Paulo, pegaram de surpresa o irmão. ?Se o Tite chegou ao ponto de discutir com o Kia é porque não agüentava mais a situação. Ele não aceita nenhum tipo de palpite em seu trabalho?Tite deu sua primeira entrevista após a demissão na manhã desta terça-feira e confirmou que houve sim a discussão com Kia ? que teria achado ruim o treinador ter posto Coelho, e não Carlos Tevez, para bater o pênalti (perdido) que empataria o jogo. ?Teve conflito, sim. A princípio, não foi direto comigo, mas acabei puxando para mim. A dignidade profissional e o vestiário após o jogo são territórios sagrados, um local de sentimento?, tentou explicar o ex-treinador do Corinthians. O técnico garantiu nunca ter havido qualquer outra tentativa de interferência do homem forte da MSI. ?Sempre tive autonomia para escalar e definir minha linha de trabalho?, afirmou. Sai do clube, mas sem mágoas, garante o irmão Ademir. ?Pode ter certeza, se o Corinthians chamá-lo no fim do ano, ele volta.?Um detalhe chamou a atenção após o anúncio da demissão. O novo contrato com Tite, em vigor desde dezembro, jamais foi registrado. ?Era apenas verbal?, confirmou o diretor de Futebol, Andres Sanchez. ?Mas ele vai receber tudo o que tem direito?, explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.