Funcionários do Audax não sabem se serão mantidos

Clima no clube é de apreensão diante das informações sobre a venda para o Grêmio Osasco

ALESSANDRO LUCCHETTI, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - Os jogadores, funcionários e membros da comissão técnica do Audax, clube que está sendo adquirido pelo Grêmio Osasco, ainda não sabem se continuarão empregados nos próximos dias. Funcionários do departamento de futebol, que pedem para não ser identificados, informam que o clima é de apreensão e preocupação desde que surgiram os primeiros rumores da venda, ainda no mês de junho. Ainda não houve um comunicado oficial da diretoria sobre as consequências práticas da mudança.

“Todos nós dependemos do emprego, mas não sabemos ao certo o que vai acontecer. Estamos sabendo das informações pelos sites e pelos jornais”, diz um dos 90 funcionários do clube em São Paulo – a unidade do Rio de Janeiro tem outras 60 pessoas na mesma situação.

Ontem as atividades no clube correram normalmente. Depois da rodada da Copa Paulista no domingo, quando o time empatou por 0 a 0 com o Taubaté, os jogadores do time profissional tiveram folga. Os funcionários trabalharam normalmente, mas apenas em atividades administrativas.

Na sexta-feira o dia havia sido de despedidas, com a saída da equipe de marketing e da diretoria de futebol.

Como a equipe faz boa campanha na Copa Paulista e está classificada para a fase final do torneio, a comissão técnica tem a esperança de ser mantida. Mas não há certeza de nada. O clube já está classificado para a Série A-1 do Campeonato Paulista em 2014. “A gente fica apreensivo e ansioso. Não tem jeito”, diz um colaborador do clube.

O Centro de Treinamento está voltado para a formação de atletas. Possui quatro campos de futebol, piscina aquecida para recuperação física e treinamento e arquibancada para 900 pessoas. Ainda não está definido como será utilizada a infraestrutura do clube, que chegou a ser cotada como um dos possíveis locais de preparação para a Copa do ano que vem.

A cada ano, um grupo de 70 jovens atletas era selecionado em peneiras que desde 2003 receberam cerca de 30 mil candidatos, segundo o clube. Os jogadores são incentivados a finalizar o curso superior e aqueles que não conseguiam se tornar profissionais tinham a oportunidade de trabalhar no Grupo Pão de Açúcar. Muitos talentos foram formados ali. O principal deles é o volante Paulinho, titular de Felipão que está no inglês Tottenham. Também passaram pelo Audax o atacante Vitinho, hoje no CSKA, o zagueiro Bruno Uvini, que está no Siena, e o atacante Hyuri, nova sensação do Botafogo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGrêmio OsascoAudax

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.