Futebol argentino será transmitido em TV aberta, diz federação

Anunciou acontece depois de organização romper com os canais fechados; Clausura começa no fim de semana

Reuters

19 de agosto de 2009 | 08h52

A Associação de Futebol Argentina (AFA) aprovou na terça-feira um acordo com o governo para a transmissão do campeonato local e informou que o torneio Clausura começará no fim de semana com a transmissão gratuita das partidas na TV aberta.

O anúncio aconteceu uma semana depois que a AFA rompeu um contrato milionário com a televisão paga, em busca de maiores ganhos para ajudar a economia de muitos clubes argentinos que passam por graves problemas financeiros.

"Foi lido em plenário do Comitê Executivo da Associação de Futebol Argentina um projeto de contrato associativo entre a AFA e o Sistema Nacional de Mídias Públicas Sociedade do Estado para a transmissão das partidas por televisão aberta e gratuita", disse a AFA em seu site oficial.

"Este projeto foi aprovado em suas orientações fundamentais e encarregou a Comissão Negociadora para definir os aspectos de sua forma final", acrescentou.

O primeiro dia do torneio, que deveria começar em 14 de agosto, foi adiado pelas dívidas milionárias que alguns clubes da primeira divisão sustentam com muitos jogadores.

A AFA tentou em vão conseguir uma maior receita pelos direitos de transmissão na televisão, e na semana passada decidiu romper o contrato que durava até 2014 com a empresa TSC (Televisión Satelital Codificada).

A associação explicou que o primeiro dia do torneio será na sexta-feira com duas partidas, continuará no sábado com quatro e no domingo com outros quatro encontros.

"Os canais que transmitirão as partidas e os horários dos jogos é algo que vamos definir no encontro de amanhã (quarta-feira)", disse a jornalistas o porta-voz da AFA, Cherquis Bialo.

Bialo alertou que o governo não deverá desembolsar dinheiro e que "somente se realizará uma associação estratégica para comercializar as partidas no exterior".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.