Futebol bate recorde no Twitter com mais de 7000 mensagens por segundo

Final da Copa feminina e jogo entre Brasil e Uruguai superam as marcas anteriores

EFE-AE-AP,

18 de julho de 2011 | 12h24

SÃO PAULO - A final da Copa do Mundo feminina e a Copa América bateram recordes no Twitter, com 7196 e 7166 mensagens postadas por segundo, respectivamente, superando até mesmo o casamento na família real britânica e a morte de Osama bin Laden. A informação foi revelada pelos próprios donos da rede social.

O futebol move paixões e desperta o interesse até do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que contribuiu para o recorde do Twitter com os comentários que fez durante o jogo entre a seleção do seu país e o Japão no domingo.

Obama atualizou seu Twitter com cada gol da decisão feminina, e a final só foi decidida nos pênaltis, com vitória japonesa. Apesar do resultado, ele elogiou o time. "Não poderia sentir-me mais orgulhoso das jogadoras."

A partida entre Brasil e Paraguai, pelas quartas de final da Copa América, também foi seguida de forma massiva na rede de microblogs, e só perdeu por 30 mensagens a menos por segundo do que a final feminina. Mas o número foi maior do que o recorde anterior.

Passado. O último recorde antes deste intenso fim de semana de competições futebolísticas havia sido registrado no final do ano passado, quando os tuiteiros aproveitaram para felicitar a chegada de 2011 a uma velocidade de pouco mais de 6900 mensagens por segundo.

Outros eventos que geraram grande quantidade de 'tweets' foram a morte de Bin Laden - 5.106 mensagens por segundo - e o Super Bowl em fevereiro - 4.064 mensagens.

A vitória da Espanha sobre a Holanda na final da Copa do Mundo em julho de 2010 registrou 3.051 mensagens, mas a cifra recorde no torneio - 3.283 - foi alcançada quando o Japão venceu a Dinamarca na fase de grupos, comprovando a penetração do Twitter no país asiático. O recorde reflete também a febre que se tornou a rede social. Atualmente, são publicadas, em média, 200 milhões de mensagens por dia, contra as 10 milhões de dois anos atrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.