Agustín Marcarian / Reuters
Agustín Marcarian / Reuters

Futebol boliviano e Evo Morales repudiam racismo contra brasileiro Serginho

Jogador do Jorge Wilstermann abandonou o campo do estádio Ramón Aguilera após os insultos

Redação, Estadão Conteúdo

19 de março de 2019 | 14h06

A Federação Boliviana de Futebol, clubes e até o presidente Evo Morales pediram que se puna os torcedores do Blooming que supostamente proferiram insultos racistas ao atacante brasileiro Serginho em uma partida do Torneio Apertura nacional.

Serginho, que está no Jorge Wilstermann desde 2017, abandonou o campo do estádio Ramón Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra, aos 40 minutos do segundo tempo da partida realizada na noite de domingo, após ser alvo de insultos racistas de torcedores do Blooming, time que ainda não se pronunciou oficialmente sobre o incidente.

O brasileiro iria executar uma cobrança de escanteio, mas, ao ser alvo dos insultos, cruzou o gramado e abandonou a partida. "Queremos que se puna para que isso não aconteça mais. Discriminação é um tema recorrente e devemos freá-lo. Temos que buscar um precedente e vamos ser contundentes", disse o presidente do Wilstermann, Grover Vargas, nesta terça-feira, à imprensa local. Vargas também anunciou que fará uma reclamação formal ao Tribunal de Justiça Desportiva.

Outros clubes do futebol boliviano, como Aurora e The Strongest, também rechaçaram os atos racistas e pediram sanções. Já Morales, em seu perfil no Twitter, se solidarizou com Serginho e assinalou que "o futebol é um esporte que une os povos". "Não devemos permitir que se manche com esses atos discriminatórios", escreveu.

Serginho, de 34 anos, fez boa parte da sua carreira no futebol paulista, tendo atuado por clubes como Mogi Mirim, Portuguesa, Botafogo de Ribeirão Preto e XV de Piracicaba, antes de se transferir para o futebol da Bolívia, onde já havia reclamado de outros incidentes racistas.

A partida contou com protagonismo brasileiro, tanto que o zagueiro Alex Silva, ex-Sao Paulo e companheiro de Serginho no Jorge Wilstermann, foi expulso. E os gols do Blooming foram marcados por Rafael Barros e Rafinha, jogadores nascidos no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.