Diego Haliasz / River Plate
Base do River Plate foi atingida por escândalo de abuso sexual. Diego Haliasz / River Plate

Futebol da Argentina também tem denúncias de abuso sexual em equipes de base

Escândalos vieram à tona em River Plate e Independiente e estão em fase de investigação

Gonçalo Junior e Renan Cacioli, Estadão Conteúdo

19 de abril de 2018 | 07h00

Um escândalo de abuso sexual envolvendo menores de idade abalou a imagem de dois grandes do futebol argentino: River Plate e Independiente. No início de abril, a promotora do caso, Maria Soledad Garibaldi, afirmou que ao menos sete menores teriam sido vítimas de uma rede de prostituição e outros 10 foram identificados como vítimas em potencial.

Seis pessoas foram presas, entre elas um árbitro e um dirigente que organizava competições de categorias inferiores. Um jogador do Independiente, de 19 anos, que não teve a identidade revelada, era o aliciador.

O escândalo veio à tona em março, quando o próprio Independiente denunciou que um jogador juvenil supostamente prostituiu vários meninos entre 14 e 16 anos. O caso foi revelado quando um dos atletas não se conteve durante uma sessão com um psicólogo. Ele relatou ter sido abusado e ter feito sexo com homens em troca de dinheiro, além de afirmar que outros jogadores foram recrutados para a rede de prostituição por outro sócio do clube.

O River Plate está colaborando com as autoridades e Dante Majori, presidente da Comissão de Futebol Juvenil e Infantil da Associação de Futebol Argentino (AFA), afirmou que as acusações estão sendo levadas a sério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.