Futebol do Santos impressiona Leão

A goleada por 4 a 1 e as inúmeras oportunidades de gols desperdiçadas contra o 12 de Outubro, terça-feira, na Ciudad del Este, impressionaram Leão, que costuma achar defeito no time até mesmo nas vitórias mais convincentes. E, como prêmio pela aplicação dos garotos, ele liberou o grupo, hoje cedo, para um passeio às Cataratas do Iguaçu. "Ganhamos de quatro mas poderia ter sido o dobro. Todos estão de parabéns. Mesmo depois de a partida estar definida, a equipe não deixou de partir em busca de mais gols, jogando ofensivamente e sem se acomodar. Por isso, temos o artilheiro - Ricardo Oliveira fez o seu quinto gol na Libertadores - e o melhor ataque da competição - o Santos marcou 15 gols, cinco mais do que o segundo colocado, o do Peñarol, do Uruguai", elogiou o treinador. Apesar de satisfeito com o primeiro lugar do grupo 3, Leão continua afirmando que falta muito para a recuperação do futebol do final do ano passado e não se arrisca a falar em título. "Vitória é sempre importante e jogando bem, melhor ainda. Penso continuar vencendo e trabalhando porque ainda temos muito o que fazer para chegarmos em títulos." Com outra boa atuação de André Luís e Michel, o técnico não tem problemas para escalar o time para estrear no Campeonato Brasileiro, contra o Paraná Clube, domingo, às 18h, na Vila Belmiro. Robinho, que abriu o caminho da goleada e foi o melhor atacante da equipe, não ficou satisfeito com a sua atuação. "No segundo tempo, tentei voltar a pedalar na frente dos adversários, mas não deu certo porque acabei perdendo a bola na seqüência." Depois de ter quebrado o jejum, fazendo o primeiro gol da temporada no penúltimo jogo, contra o América, de Cali, na Vila Belmiro, e outro na terça-feira, o garoto diz que está se sentindo mais solto e promete voltar a insistir com a sua jogada mais características nas próximas partidas. Como o Santos está classificado para as oitavas-de-final e ainda recebe o El Nacional, dia 16 de abril, na Vila Belmiro, pela primeira fase, Ricardo Oliveira passou a acreditar mais que poderá ser o artilheiro da Copa Libertadores. "Fico feliz em manter essa média alta de gols (um por jogo), mas continuo considerando a conquista do título mais importante do que eu ser artilheiro. Mas, se eu conseguir, vai ser bom demais. O que está me ajudando é que o Santos é forte ofensivamente, tanto que os nossos quatro gols foram feitos por jogadores diferentes. Isso significa que a equipe não depende só de um ou de outro jogador." A delegação retornou hoje à noite de Foz do Iguaçu. Os jogadores se reapresentam amanhã às 15h30. Amanhã e sábado, os treinos serão apenas no período da manhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.