Futebol encanta australianos, que não entendem o jogo

Os australianos se mostraram "loucos por futebol" após a vitória de 3 a 1 sobre o Japão na segunda-feira, mas para a maioria dos torcedores da Austrália o esporte ainda se mostra enigmático. A Austrália, ao contrário da maioria dos países do mundo inteiro, não tem sua cultura esportiva dominada pelo futebol. A paixão do país se focaliza no futebol australiano, um esporte que fica entre o rugby e o futebol americano. Mas o verdadeiro esporte nacional é o cricket.As regras do futebol são nebulosas para os australianos, que por muito tempo chamaram o jogo de "soccer", como os americanos, pois a expressão "futebol" estava reservada ao esporte jogado com bola oval.Mas o sucesso da seleção australiana no mundial alemão converteu todo o país a um fanatismo religioso pelo esporte. Os três gols marcados contra os japoneses foram os primeiros em uma Copa do Mundo, depois da participação sem gols nos três jogos em 1974.O premiê australiano, John Howard, que se define como um "fanático por cricket", saudou a vitória da equipe, que cativou milhões de australianos. Em pesquisa recente com 1.200 pessoas, a Copa é o segundo troféu mais cobiçado, logo após o torneio correspondente de cricket, quando australianos e ingleses se enfrentam.O responsável de uma empresa de estudos mercado na divisão esportiva, Martin Hirons, considera que a dificuldade principal no país é manter o interesse comercial no futebol. "Todos podem estar torcendo pela seleção agora, e mesmo que esta ganhe a Copa do Mundo, após o evento poucos irão se importar em ir assistir uma partida dos times locais", adverte Hirons.Em novembro, quando a Austrália derrotou o Uruguai nos pênaltis, na repescagem contra o Uruguai, o presidente da Federação Australiana de Futebol, John O´Neil, havia feito um comentário similar ao de Hirons. "Os australianos amam os ganhadores. Mas se eles não estão entre os primeiros, o povo os abandona, a televisão também. É um ciclo, que neste momento está em sua melhor fase", afirmou O´Neil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.