Futebol feminino aposta nos 'times de camisa' para enfim crescer

Segunda edição do Campeonato Brasileiro, bancado pela Caixa, começa na quarta-feira com 20 equipes, oito delas 'tradicionais'

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

08 Setembro 2014 | 16h20

Os "times de camisa" são a nova aposta do futebol feminino na busca por popularização e crescimento no Brasil. Essa esperança ficou clara nesta segunda-feira em São Paulo, no lançamento do 2º Campeonato Brasileiro. A competição terá 20 equipes, oito delas ligadas a clubes que disputam competições masculinas. A primeira rodada será realizada nesta quarta-feira e a decisão do título está marcada para 29 de novembro.

Entre os participantes estão Vasco, Botafogo, Bahia, Náutico, Sport Recife, Portuguesa, Avaí e Chapecoense. Também jogam dois times interior paulista que remetem a clubes tradicionais de futebol em suas cidades: o São José Esporte Clube, de São José dos Campos, e a Ferroviária Futebol S/A, de Araraquara. "Acredito que o futebol feminino está num processo de crescimento gradual, mas não acredito que crescerá tanto se não tivermos os times de camisa (disputando os torneios)'', disse o diretor de competições da CBF, Virgílio Elísio.

A CBF é a promotora do Brasileiro, mas não investe nele. Os R$ 10 milhões que irão bancar as despesas das equipes - custos de viagens, hospedagem e alimentação, entre outros - virão do patrocínio da Caixa Econômica Federal. O banco vai usar recursos das Loterias da Caixa.

No entanto, atrair "times de camisa'' para o futebol feminino não é tarefa das mais fáceis. O Flamengo, por exemplo, iria jogar o Brasileiro, mas desistiu em cima da hora. E outros clubes tradicionais sequer cogitaram a hipótese de se envolver com o futebol feminino. "Não dá para pedir aos clubes que têm uma folha de pagamento imensa (com o masculino) para investir obrigatoriamente no futebol feminino", admite Elísio.

Esta, porém, é uma ideia que pode ser mais  bem estudada no futuro como forma de desenvolver a modalidade. Existe no ministério do Esporte quem defenda que a Caixa, patrocinadora de vários times no masculino, coloque como condição para fechar tais contratos que o clube a ser patrocinado crie obrigatoriamente um departamento de futebol feminino.

Outra preocupação é o investimento na formação - no futebol feminino, não há campeonatos nas divisões de base. A consequência é que a formação é deficiente e as meninas das categorias menores encaram competições sem ter preparação satisfatória. Isso ocorreu no Mundial Sub-20 disputado em agosto no Canadá, quando o Brasil perdeu da Alemanha por 5 a 1, após terminar o primeiro tempo vencendo. Na etapa final, porém, faltaram fôlego e entrosamento para competir em pé de igualdade com as alemãs.

"Nós precisamos ter competições. Não podemos enviar um grupo de garotas para disputar um sub-20 contra a Alemanha quando elas não têm condição de preparação. Nem técnica nem física. Precisamos ter nas divisões de base competições regulares e permanentes'', disse o ministro do Esporte, Aldo Rebelo. "Joga-se muito pouco futebol feminino no Brasil. Temos uma dificuldade muito grande na capacitação de atletas", acrescentou Oswaldo Alvarez, o Vadão, atualmente técnico da seleção principal do Brasil.

REGULAMENTO

O Brasileiro feminino vai ter quatro fases. A primeira terá quatro grupos com cinco clubes cada. Classificam-se dois times por grupo para a segunda-fase. Serão formados então dois grupos de quatro, com partidas em ida e volta. Os dois melhores da cada grupo passam às semifinais, que ocorrerão em jogos eliminatórios, igualmente em ida e volta. A decisão, com os vencedores da semi, também será em dois jogos. Na primeira fase, a competição foi regionalizada para a formação das chaves. Mesmo assim há situações em que clube do Rio terá de jogar na Bahia e em Pernambuco e o representante do Ceará irá ao Amazonas e o Pará.

O grupo 1 terá Associação Desportiva Centro Olímpico (ADECO), de São Paulo (campeã do primeiro Brasileiro), Botafogo, Portuguesa, Avaí e Chapecoense; No 2 jogam Ferroviária, Foz/Cataratas, São José, Kindermann (SC) e Vasco; O 3 é formado por Bahia, Duque de Caxias, São Francisco (BA), Sport e Vitória (PE); e o 4 tem Caucaia (CE), Iranduba (AM), Náutico (PE), Pinheirense (PA) e Viana (MA).

A primeira rodada terá na quarta-feira Foz/Cataratas x Vasco, Vitória x São Francisco, Duque de Caxias x Bahia, Caucaia x Náutico, Iranduba x Pinheirense, Ferroviária x São José, ADECO x Avaí e Botafogo x Portuguesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.