Marco Bertorello/AFP
Marco Bertorello/AFP

Futebol feminino ganha força na Europa

França Itália e Espanha passaram a investir mais na modalidade e jogos começaram a ser transmitidos na TV

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2019 | 04h30

Enquanto no Brasil o futebol feminino ainda está à sombra do masculino, em outros países o cenário é de igualdade ou até de superioridade da modalidade praticada pelas mulheres. Os Estados Unidos, por exemplo, são os maiores campeões da Copa do Mundo feminina, com três títulos, enquanto a seleção masculina levantou apenas um troféu na história, a Copa Ouro.

O mesmo ocorre no vizinho Canadá, que disputou apenas uma Copa do Mundo masculina e terminou com a pior campanha em 1986. Já na modalidade feminina, a seleção canadense chegou a uma semifinal de Mundial e soma duas medalhas de bronze em Olimpíada.

Na Europa, alguns países começaram a desenvolver o futebol feminino nos últimos anos. A França, anfitriã da Copa deste ano, tem o principal time do mundo: o Lyon, que conquistou em maio sua sexta Liga dos Campeões. Além disso, a equipe conta com a atacante norueguesa Ada Hegerberg, uma das melhores do mundo.

Itália e Espanha estão no mesmo caminho. Nesses países, o futebol feminino passou a receber mais investimento nas últimas temporadas, com a entrada de clubes grandes. Milan, Juventus, Roma, Barcelona e Atlético de Madrid possuem equipes femininas e começaram a atrair torcedores. Consequentemente, as TVs passaram a transmitir os jogos, gerando visibilidade e mais interesse.

Neste contexto, o maior campeão da Liga dos Campeões masculina percebeu que estava ficando para trás e tratou de agir. O Real Madrid confirmou que terá um time feminino no ano que vem. O clube anunciou a fusão com o Deportivo Tacón, equipe feminina fundada em 2014. A brasileira Marta está na mira dos dirigentes.

O duelo entre Atlético de Madrid e Barcelona registrou o recorde de público em um jogo de futebol feminino. No estádio Wanda Metropolitano, 60.739 torcedores acompanharam a vitória do Barcelona por 2 a 0. Suécia, Noruega, Japão e China são potências na modalidade e times comuns no masculino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.