Futebol italiano: ?estado de crise?

O presidente da Liga Italiana de Futebol, Adriano Galliani, anunciou nesta terça-feira que vai solicitar a declaração de ?estado de crise? no futebol do país. O objetivo da declaração é o de abrir uma brecha legal para que o governo possa intervir e socorrer inúmeros clubes que estão em dificuldades econômicas, segundo explicou o dirigente. O anúncio de Galliani foi feito nesta terça-feira, ao final da assembléia geral dos clubes na qual se definiu que o início do Campeonato Italiano sofrerá atraso de duas semanas por falta de acordo entre os clubes e as emissoras de TV que compraram os direitos de transmissão dos jogos. O campeonato deveria começar no dia 1º, mas a rodada de abertura foi transferida para o dia 15 de setembro. Oito dos chamados clubes pequenos da primeira divisão - Atalanta, Brescia, Chievo Verona, Piacenza, Perugia, Como, Módena e Empoli - além de três da segunda divisão (Verona, Venezia e Vicenza) - estão sem contrato com a TV e se negaram a jogar. "O futebol está em crise", assegurou o dirigente, lembrando que a data de abertura do campeonato só foi alterada em ocasiões muito especiais - em decorrência de Olimpíadas ou Copa do Mundo e, na Segunda Guerra Mundial. Galliani se mostrou preocupado também com a intenção da TV pública RAI em reduzir para quase a metade os 90 milhões de euros que pagou na temporada passada para a transmissão dos jogos. Os dirigentes afirmam que não querem dinheiro do governo, mas pedem redução de impostos e facilidades para que possam fazer frente às obrigações fiscais. O ministro da Cultura da Itália, Giuliano Urbani, prometeu empenho no trabalho de apoio aos clubes.

Agencia Estado,

20 Agosto 2002 | 16h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.