Gabriela Bilo/ Estadão
Gabriela Bilo/ Estadão

Futebol parado, mas mercado em andamento: clubes buscam se reforçar durante a pandemia

Principal contratação do futebol paulista foi anunciada pelo Corinthians com o retorno do atacante Jô

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2020 | 05h00

Embora o futebol brasileiro esteja paralisado desde março por causa da pandemia do novo coronavírus, os clubes brasileiros não interromperam a busca por negociações com jogadores neste período. A bola não rola e o calendário de 2020 ainda está indefinido, mas o mercado segue em andamento. A principal contratação no futebol paulista foi anunciada na última quarta-feira: o atacante acertou seu retorno ao Corinthians, com vínculo válido até o fim de 2023.

A repatriação de Jô não foi a única negociação do Corinthians. O atacante Alex Teixeira tem sua situação monitorada pelo clube - o contrato dele com o Jiangsu Suning, da China, se encerra no fim deste ano. Além disso, o zagueiro Léo Santos renovou até 2023. Por outro lado, o Corinthians rescindiu de forma amigável com Vagner Love, que tinha contrato até o fim desta temporada e deve voltar o futebol estrangeiro. O meia Pedrinho é outro que não defenderá mais o clube do Parque São Jorge, porque foi vendido ao Benfica, de Portugal, ainda antes da paralisação.

No Palmeiras, a diretoria está de olho na Suíça, onde o futebol já foi retomado. O atacante Arthur Cabral está emprestado ao Basel e pode ser comprado por 4,5 milhões de euros. Isso porque há uma cláusula de compra obrigatória caso o jogador faça 12 gols em sua primeira temporada pelo Basel, e ele está a apenas um de bater a meta. O jogador está emprestado até o fim de junho e terá mais três jogos pela frente.

O Palmeiras tem 50% dos direitos econômicos de Arthur Cabral, enquanto a outra metade pertence ao Ceará, seu ex-clube. Contratado no fim de 2018 pelo time alviverde, o atacante recebeu poucas oportunidades: foram apenas seis jogos e um gol marcado.

O Palmeiras não reforçou o elenco até agora, mas aproveitou a paralisação para realizar uma mudança em sua comissão técnica: o preparador de goleiros Rogério Godoy, ex-Grêmio, foi contratado para o lugar de Oscar Rodriguez, demitido.

No Santos, uma punição da Fifa impede o registro de novos jogadores. O motivo da penalidade é a dívida de 2,5 milhões de euros que o clube alvinegro tem com o Hamburgo, da Alemanha, pela contratação do zagueiro Cleber Reis ainda em 2017. Com isso, a principal movimentação nos bastidores foi a renovação de contrato do zagueiro Lucas Veríssimo até o fim de 2024. Durante a paralisação, o Santos liberou o meia Evandro, que tinha contrato apenas até o fim de junho.

O São Paulo também não anunciou reforços nos últimos meses. A notícia que mais agitou o departamento de futebol do clube foi o possível interesse do Real Madrid no meia Igor Gomes. O jornal "As" publicou no fim de março que o clube espanhol monitora a situação do jogador de 21 anos e o chamou de "novo Kaká".

Outros Estados

Fora do futebol paulista, algumas negociações agitaram os bastidores dos clubes em meio à pandemia. O Fluminense, por exemplo, acertou a volta do atacante Fred após quatro anos. O jogador assinou até julho de 2022 e retorna ao time carioca depois de ter se desligado do Cruzeiro, que vive grave crise financeira.

Já o Atlético-MG é o time que mais tem se movimentado nos últimos meses no Brasil. O clube alvinegro contratou o zagueiro Bueno, emprestado pelo Kashima Antlers, do Japão; o volante Léo Sena, ex-Goiás; o também volante Alan Franco, ex-Independiente Del Valle, do Equador; e o atacante Marrony, ex-Vasco. O clube mineiro ainda está perto de acertar a chegada do atacante Keno, do Pyramids, do Egito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.