Michaela Rehle/Reuters
Michaela Rehle/Reuters

Futebol traz exemplos de reabilitação

Condenado a quase 4 anos de prisão, Breno trabalha nas categorias de base do Bayern de Munique

GONÇALO JUNIOR, O Estado de S. Paulo

08 de setembro de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - Breno tem bons exemplos para se inspirar em seu recomeço. Vários jogadores tiveram problemas com a justiça, mas se  reabilitaram. Edinho, filho de Pelé e ex-goleiro do Santos, foi preso em junho de 2005, com outras 17 pessoas, acusado de associação com o tráfico de drogas. Ele negou as acusações e disse ser apenas usuário de drogas. Edinho passou seis meses preso e ganhou liberdade por meio de um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF).

Menos de dois meses depois, no entanto, ele voltou para a prisão, pois o Ministério Público apresentou indícios de lavagem de dinheiro do tráfico. Foi solto em dezembro de 2006. Dois anos depois, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou o processo por tráfico. Atualmente, é auxiliar técnico no Santos. Procurada pela reportagem do Estado, sua assessoria informou que ele não fala publicamente sobre o tema.

O ex-jogador Zé Elias foi preso em 21 de julho de 2011 por não pagar pensão alimentícia e ficou quase 20 dias na carceragem do 33.º Distrito Policial, em Pirituba (SP). Entrou em um acordo sobre os valores devidos, saiu da prisão e se tornou comentarista esportivo.

O ex-jogador Edmundo foi condenado em 1999 a quatro anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, pelos homicídios culposos de três pessoas e lesões corporais de outras três em um acidente de carro na madrugada do dia 2 de dezembro de 1995, depois de sair de uma boate na Lagoa, bairro da zona sul carioca. A defesa recorreu e Edmundo ficou preso por somente 24 horas após a sentença da Justiça. Hoje, Edmundo também é comentarista.

A Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo informa que não possui estatísticas sobre o número de ex-presidiários – ou egressos, como dizem os especialistas – que estão empregados atualmente. Os números sobre a capacitação, no entanto, são animadores. Só em 2013, 2.971 foram capacitados ou fazem algum curso profissionalizante. A meta é treinar mais 2.080 este ano. Por meio de uma parceria com o Governo Federal, são oferecidas mais 10.500 vagas para cursos de educação profissional e tecnológica.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrenoEdinhoZé EliasEdmundo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.