Futsal: Falcão reestréia neste sábado

De volta à pequena Jaraguá do Sul (SC), o melhor jogador de futsal do mundo está feliz. Depois da passagem de três meses pelo São Paulo, Falcão retorna à cidade e ao time que nunca o abandonaram. Neste sábado, o ala reestréia nas quadras no jogo entre Jaraguá e Joinville, às 11 horas (com SporTV), pela Liga Nacional de Futsal. "Foi muito bom voltar. Cheguei com ânimo renovado, houve grande movimentação na cidade. Tudo aconteceu como se fosse a primeira vez", contou. Falcão anunciou, na terça-feira, sua saída do campo. Na quarta, já estava em Jaraguá e, um dia depois, voltava a treinar no piso de madeira. No primeiro dia, fez apenas treinos físicos. Somente nesta sexta-feira de manhã ele voltou a dominar uma bola de futsal e reconhece que estranhou um pouco. "É enganoso pensar que já estaria tudo bem no primeiro dia, mas em uma semana, já estarei adaptado. Não dá para esquecer o que fiz a vida inteira." Com o futuro acertado - o ala assinou contrato por dois anos e receberá R$ 100 mil por mês -, Falcão quer finalmente curtir o título concedido pela Fifa. Mas esse é apenas um dos seus motivos de comemoração. O outro é a gravidez da mulher, Tatiana, com quem é casado há cinco anos e tem um filho. Na semana passada, no auge do conflito com o técnico Leão, o casal recebeu a notícia. "Foi um ponto que contou muito para a minha volta ao futsal. Em uma cidade pequena, a gestação seria mais tranqüila." O retorno ao campo está descartado e a permanência no São Paulo, mesmo após a saída de Leão, foi cogitada. Menos por Falcão. "O presidente (Marcelo Portugal Gouvêa) fez uma proposta irrecusável que eu recusei", diz, rindo. "O pessoal daqui até ficou preocupado, mas eu cumpri minha palavra." Ainda assim, não se arrepende do seu terceiro fracasso na grama. "Foi válido, mas campo, nunca mais." Na próxima semana, Falcão estará em São Paulo e voltará ao CT do São Paulo para rever os ex-colegas. "Meu problema lá foi isolado". Revela que Diego Tardelli ligou para ele, apoiando a decisão tomada. Agora, analisando à distância, vê que o futsal é que o fez um ídolo. "Mesmo sem jogar, a torcida gritava meu nome e vi a dimensão que alcancei. Sei que não preciso provar nada. A felicidade está aqui."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.