Futsal: Falcão vive noite de sonho

Falcao, da Seleção de futsal, teve um Natal e tanto. O ala voltou aoBrasil ontem (24), trazendo na mala o ?melhor prêmio? de sua vida:segunda-feira, em Zurique, tinha sido eleito o maior jogador de futsaldo mundo pela Fifa em 2004. Foi a primeira vez que a entidade premioualguém da modalidade.?Foi minha afirmação. Antes diziam que eu era o melhor do mundo, masnão era oficial. Não tinha a mesma graça?, diz o jogador, artilheiro doMundial de Taiwan, disputado no início do mês, com 13 gols ? o Brasilficou com o bronze.O paulistano nascido no Parque Edu Chaves, Zona Norte, teve o primeirocontato com o futsal no colégio, aos 8 anos. ?Sempre gostei deinventar, sempre após os jogos ou treinos ficava mais tempo na quadrapara criar alguma jogada nova.? Aos 14, entrou no time do Corinthians.O empurrão foi do pai, João Eli Vieira, que jogava futebol de várzea.?Era um capeta quando pequeno, e desde que me conheço por gente, estavasempre correndo atrás de uma bola de futebol. Minha mãe (Reinalma) melevava em lojas de brinquedo, mas eu só queria saber da bola?, conta.Da platéia do suntuoso teatro suíço onde a Fifa premiou os melhores doano, Falcão agradeceu o inesquecível momento ao pai, falecido emjaneiro. Anônimo, sentou-se ao lado de ex-craques do futebol de campo,como o alemão Franz Beckenbauer e o francês Michel Platini. Só foireconhecido quando exibiram um clipe de 30 segundos que mostrava suahabilidade. ?Foram 30 segundos inesquecíveis, porque a cada caneta echapéu, o público reagia com um ?oh?.?Depois da premiação, o brasileiro foi cumprimentado pelos astros.Platini beijou sua mão e o chamou de ?mágico?. A recepção de JoãoHavelange não foi diferente. Falcão conta, orgulhoso, que oex-presidente da Fifa disse assim: ?Depois do vídeo, não precisamos demais nada. Foi lindo, de tirar o fôlego.?A noite de sonho, como ele mesmo definiu, ainda não havia acabado.Ronaldinho Gaúcho, eleito o melhor do mundo no futebol, deixou-o semjeito. ?Falou que eu era o ídolo dele, que havia se inspirado em mim.Respondi que ele estava louco, que eu é que era fã dele.?Falcão atua no Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, onde vive com amulher Tatiana e o filho Enzo, de 2 anos. E diz que é bastanteassediado por clubes do Exterior, até de países que não têm nenhumatradição na modalidade, como Ucrânia e Rússia. Mas o destino maisprovável, se houver algum, é a Espanha, bicampeã mundial.O jogador assinou um pré-contrato com o time espanhol Playas deCastelon, válido até 2007, para se apresentar ao clube no momento emque bem entender. Aos 27 anos, ainda não se sente preparado. ?Meu clubee meus patrocinadores (Nike e Correios) cobrem todas as propostas, nãotenho por que deixar o País. Talvez quando não estiver rendendo bemaqui...?Falcão diz que aceitaria jogar futebol caso um clube bem estruturado oprocurasse. Ele teve uma passagem ?frustrante? pelos campos. Em 2001, aconvite de Ademir da Guia, fez uma semana de testes no Palmeiras. ?Masnos primeiros dias em que estive lá, o técnico Marco Aurélio foidemitido. E acabei voltando para o Banespa.? No ano seguinte, foichamado pela Portuguesa, onde ficou por dois meses. ?Fui boicotado,teve uma ciumeira. Inventaram até contusão. Fiquei uma semana parado ena volta me fizeram correr igual a um louco e tive tendinite. Meu paifoi me buscar e disse que nunca mais eu pisaria lá. Ainda guardo mágoasda Portuguesa, foi uma sacanagem.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.