Arquivo/AE
Arquivo/AE

Futuro de Adriano segue incerto após encontro em Milão

Apesar de não haver uma definição, procurador do jogador disse que reunião com a Inter foi positiva

AE-AP, Agencia Estado

15 de abril de 2009 | 14h15

A reunião entre representantes da Inter de Milão e do atacante brasileiro Adriano, nesta quarta-feira, não chegou a um acordo sobre o futuro do jogador no clube italiano. O procurador do atleta, Gilmar Rinaldi, afirmou após o encontro que voltará ao Brasil para conversar com o atleta.

Veja também:

forum VOTE: Adriano acerta em 'dar um tempo' na carreira?

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Gilmar reuniu-se durante cerca de duas horas com o vice-presidente do clube, Rinaldo Ghelfi, e com o diretor-técnico Marco Branca. Apesar de não haver uma definição, ele classificou o confronto como positivo.

"Não posso dizer nada porque devo conversar antes com o Adriano. Temos um problema porque ele não se apresentou, e essas coisas são sempre difíceis de se discutir. Mas a Inter é um clube de bom nível, e sempre houve um respeito recíproco com Ghelfi e Branca. Por isso, foi um encontro positivo", disse.

O procurador deve voltar ao Brasil para conversar com o atleta e, depois, retornará à Itália para uma nova conversa com representantes do clube. "Vou levar ao Adriano a posição do clube, não posso dizer nada além disso. Falarei pessoalmente com o Adriano e na próxima semana volto para a Itália", explicou.

O brasileiro tem contrato com a Inter de Milão até junho de 2010, mas afirmou na quinta-feira que não pretende voltar à Itália. Depois de não se apresentar à equipe após os jogos da seleção brasileira pelas Eliminatórias, Adriano disse que perdeu a alegria que tinha ao jogar futebol, e decidiu parar sua carreira por tempo indeterminado.

Nesta quarta, antes da reunião com Gilmar, o presidente do clube, Massimo Moratti, havia afirmado que a rescisão contratual seria uma das opções para definir a situação do atleta. Moratti não participou da reunião com o procurador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.