Futuro de Juninho será definido amanhã

Se Juninho Fonseca não optar por uma saída honrosa e se demitir nesta terça-feira, numa reunião programada para as 17 horas, no Parque São Jorge, o fim de seu ciclo como técnico do Corinthians será consumado na próxima derrota.O treinador já está com um pé fora do Parque São Jorge. Até o clássico diante do São Paulo, no domingo, ele continua. Mas a diretoria já trabalha com a hipótese de uma mudança no comando da comissão técnica. Muricy Ramalho, Ricardo Gomes e Mário Sérgio são as primeiras opções para substituir Juninho.Quem vai segurar Juninho até o final da semana é o vice-presidente Andrés Sanches. O dirigente reconhece que o trabalho do técnico está muito aquém daquilo que o Corinthians precisa, mas entende que a culpa pela instabilidade do time não pode ser creditada só ao jovem treinador. ?O problema vai muito além do que a simples troca de técnico", diz o cartola, sem entrar nos detalhes.Andrés Sanches resolveu ?bancar? Juninho até domingo também para sentir até onde vai a sua força no clube. Ele resolveu bater de frente com o diretor-técnico Roberto Rivellino, que quer a saída do treinador e já demonstrou isso publicamente após a derrota para a Portuguesa, dizendo que o time está sem padrão de jogo. Nesta segunda-feira, Rivellino foi ainda mais incisivo. "O time não anda bem, está sem padrão de jogo. E o Juninho sempre soube que ele seria cobrado no Campeonato Paulista. No Corinthians sempre foi assim, desde a minha época de jogador: qualquer treinador vive sob pressão. Já falei com ele na semana passada. Amanhã, teremos outra reunião. Se ele não conseguir fazer o que o Corinthians precisa... É evidente que há um desgaste natural do Juninho", admitiu o diretor-técnico.A sinceridade de Rivellino diante dos microfones não pegou bem entre os demais dirigentes do Corinthians. Nos bastidores já apareceram as primeiras reclamações contra o pavio curto do diretor-técnico, que não se impressiona. "Falei a verdade, é um direito meu. Não me preocupa o que os outros diretores pensam. Eu só sei que o torcedor corintiano não está feliz com o que o está vendo em campo. Como você vai controlar isso se não houver uma boa resposta em campo??Rivellino, no entanto, não quis admitir que Juninho pode ser dispensado antes do clássico de domingo, contra o São Paulo. "As coisas não são assim, de uma hora para a outra. Como eu disse, vamos esperar a reunião de amanhã", explicou. Mas falou como se o técnico já fosse um ex. "Às vezes, você pensa que um determinado treinador vai arrebentar num clube mas ele não acaba não se encaixando. Isso faz parte. Eu mesmo apostei no Juninho, banquei a sua permanência."Contra Juninho pesa também a desconfiança de que ele tem ouvido demais o auxiliar-técnico Jairo Leal e o preparador físico Moraci Santana - remanescentes da época de Carlos Alberto Parreira. O próprio Rivellino reconheceu que chegou a aconselhá-lho sobre isso. "Você pode até ouvir várias pessoas, mas a decisão de escalar o time deve ser sempre só sua", avisou o dirigente.A favor de Juninho estão os jogadores. Fábio Costa saiu em defesa do treinador ainda no gramado do Morumbi, domingo, após a derrota para a Portuguesa, por 1 a 0. "O Juninho não é o culpado. O time é que precisa ter mais atitude", disse o goleiro.Na manhã desta terça-feira, na reapresentação do elenco, no Parque Ecológico, os líderes do elenco prometem lavar toda a roupa suja.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.