Futuro do Santos depende das eleições

O Santos encerrou neste domingo sua participação no Campeonato Brasileiro e entra em uma semana decisiva. No sábado, será eleita a diretoria que irá comandar o clube nos próximos dois anos. Com isso, assuntos como a contratação do novo técnico, dos reforços e a dispensa de jogadores estão adiados. O presidente Marcelo Teixeira determinou que os diretores não fizessem comentários até o dia da eleição. ?Não dá para contratar o técnico antes da eleição?, explicou o dirigente, esclarecendo que, se eleito, a mudança no elenco não será tão radical. ?Temos de manter uma base, tanto que já demos férias a vários jogadores para antecipar também a pré-temporada.?Marcelo Teixeira fez esses comentários no sábado, na grande festa que programou para inaugurar o Hotel Recanto dos Alvinegros, construído dentro do CT Rei Pelé e que será utilizado para as concentrações e pré-temporadas. ?Fico orgulhoso de entregar essa obra, que é um marco na história do futebol do Brasil. Agora falta jogar bola. Precisamos fazer com que os resultados apareçam. Com a infra-estrutura que temos agora e com a qualidade do grupo de jogadores, o Santos manterá os grandes resultados alcançados nos últimos anos?, disse o presidente.A montagem do time para o ano que vem passa primeiro pela contratação do novo treinador. A partir da inauguração do hotel, há um novo requisito no perfil do comandante: precisa saber usar toda a infra-estrutura que o clube dispõe, comparável à dos melhores times do mundo.?Depois do sábado, com certeza colocaremos em prática tudo o que está sendo organizado. Não se pode contratar um treinador e dizer a ele que vai ter a eleição e só depois do domingo será efetivado. É preciso definir a situação eleitoral antes?, afirmou o presidente.Apesar disso, as negociações continuam. Há ainda uma expectativa de poder contar com Emerson Leão, que foi um dos principais incentivadores da equipagem do CT Rei Pelé. Mas Marcelo Teixeira sabe que a volta de Leão é muito remota e o próximo técnico deverá ser mesmo Muricy Ramalho, um velho sonho da diretoria.Rumo Certo ou Resgate Santista - Nas eleições, duas chapas disputam o comando do Santos: a Rumo Certo, encabeçada pelo presidente Marcelo Teixeira, que tenta a quarta vitória seguida, e a de oposição, que tem o jornalista Paulo Schiff como candidato do movimento Resgate Santista.A linha de Marcelo Teixeira é manter o trabalho que vem realizando nos últimos seis anos e que renderam dois títulos brasileiros ao clube. Os investimentos patrimoniais, de reforma da Vila Belmiro e investimentos no CT Rei Pelé, são também a base eleitoral da chapa, que promete ainda montar um grande time para o ano que vem, já que dinheiro em caixa o clube tem, principalmente pela venda de Robinho para o Real Madrid.A montagem de uma grande equipe também é um dos principais pontos da Resgate Santista, que pretende profissionalizar a administração do clube, adotar uma eficiente política de marketing para a venda da marca Santos, além de realizar uma gestão transparente. No sábado, os sócios vão decidir o futuro do clube.

Agencia Estado,

05 de dezembro de 2005 | 09h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.