G14 confirmará dissolução nesta sexta em Assembléia Geral

Grupo será desfeito após acordo com Fifa e Uefa, que aceitaram pagar indenizações por convocação de atletas

Efe,

14 de fevereiro de 2008 | 14h38

O G14 confirmará nesta sexta-feira sua dissolução durante uma Assembléia Geral em Bruxelas um mês após o acordo firmado com a Fifa e a Uefa, por meio do qual as entidades se comprometeram a compensar economicamente os clubes por causa da participação de seus jogadores em campeonatos de âmbito mundial e europeu. O grupo de clubes, que chegou a ser de 18 equipes em 2002, ratificará os acordos adotados no dia 15 de janeiro na sede da Fifa em Zurique, onde, além do desaparecimento do G14 e a retirada de suas demandas contra a Fifa e a Uefa, se decidiu iniciar um novo capítulo nas relações entre estas entidades. Real Madrid, Barcelona, Milan, Juventus, Lyon, Rangers, Manchester, Chelsea, Bayern de Munique, Ajax, Porto e Olympiakos - todos eles membros do G14 - foram os signatários daquele pacto que concretizou também a transformação do Fórum Europeu de Clubes na Associação de Clubes Europeus para reunir mais de cem equipes. O acordo compensatório para os clubes que cederem jogadores as seleções nacionais estabeleceu que a Fifa e a Uefa pagarão 174 milhões de euros (R$ 452 milhões) nos próximos quatro anos. Segundo anunciado no dia 21 de janeiro pelo presidente da Uefa, o francês Michel Platini, a Fifa pagará 76 milhões de euros (R$ 197 milhões) aos clubes que cederem jogadores para as seleções que participarem da Copa de 2010, na África do Sul. Além disso, a Uefa dará 43,5 milhões de euros (R$ 113 milhões) aos clubes que cederem jogadores às equipes que tomarem parte em junho da Eurocopa de 2008, e 55 milhões de euros (R$ 143 milhões) aos que cederem jogadores para as seleções que participarem naEurocopa de 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
G14UefaFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.