Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Gabigol será julgado por festejar gol com cartaz. Confira lista de comemorações inusitadas

Relação tem polêmica de Neymar e até dança de goleiro do Mazembe que viralizou no Mundial de Clubes da Fifa

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2019 | 09h00

O atacante Gabigol, do Flamengo, será julgado nesta quarta-feira, às 14h, na 3.ª Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por causa de uma comemoração inusitada contra o Vasco, em Brasília, pelo Campeonato Brasileiro. O jogador foi enquadrado por ter infrigido o artigo 98 do Regulamento Geral de Competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que proíbe qualquer manifestação usando apetrechos dentro de campo.

Na ocasião, o jogador do Flamengo utilizou um cartaz de um torcedor que estava na arquibancada na comemoração de um gol. O cartaz dizia "Hoje tem gol do Gabigol". A procuradoria do tribunal entendeu que ele praticou uma ação promocional conforme reza o artigo 98 do código, como "utilização de faixas, cartazes, apresentações e manifestações em geral" no campo de jogo.

O Flamengo não se mostrou preocupado com uma possível punição ao atacante e entende que são pequenas as chances de Gabigol ser condenado. No domingo, contra o Palmeiras, no Maracanã, Gabigol fez a mesma coisa e o árbitro Rafael Traci também colocou na súmula da partida sua manifestação, como já havia feito Leandro Pedro Vuaden diante do Vasco em Brasília.  

Gabigol não é o primeiro a comemorar um gol de maneira inusitada no futebol. Nem será o último, provavelemente. Neymar, por exemplo, já foi expulso após festejar um gol colocando uma máscara no rosto. Quem também tem o hábito de inovar é Aubameyang, que já colocou máscara de Homem-Aranha e Batman. Ele defende o Arsenal, da Inglaterra. Confira algumas comemorações irreverentes no futebol.

 

1 - A máscara de Neymar

 

2 - Super herói em campo

 

3 - Calção na cabeça

 

4 - Protesto para a torcida

 

5 - Dança do goleiro do Mazembe

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.