Site/Santos
Site/Santos

Gabriel diz entender pressão da torcida santista e garante que apelido 'não pesa'

"É normal a torcida pegar no meu pé. Sou o jogador de mais nome, normal direcionar a mim, de quem esperam tanto."

Estadão Conteúdo

11 Maio 2018 | 16h22

Autor de três dos cinco gols do Santos na vitória por 5 a 1 sobre o Luverdense, na última quinta-feira, na Vila Belmiro, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, Gabriel reencontrou o caminho do gol. Muito criticado pela torcida, o atacante, que marcou três gols em uma partida pela primeira vez na carreira, diz entender a impaciência da torcida santista.

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

"É normal a torcida pegar no meu pé. Sou o jogador de mais nome, normal direcionar a mim, de quem esperam tanto. Eu levo numa boa, tranquilamente sem problemas. Meu foco é ajudar o Santos. Nem sempre com gols, mas me doando bastante, como sempre faço. Sempre dou meu máximo quando entro em campo", disse Gabriel, em entrevista coletiva, nesta sexta-feira, no CT Rei Pelé,.

A impaciência e a pressão da torcida santista sobre Gabriel e o elenco do Santos aumentaram depois da goleada sofrida para o Grêmio por 5 a 1 no último domingo, em Porto Alegre. A vitória contra o Luverdense vem para ajudar a amenizar o clima conturbado.

"Eu sempre fui muito focado nos jogos. No começo, errei algumas bolas, o que é normal, de jogo. A torcida estava um pouco impaciente. Mas sabia que teria mais chances. Pude aproveitar muito bem as chances depois. É normal a falta de paciência depois do jogo contra o Grêmio. Não somos um time que tomamos muitos gols, compacto, certo, mas lá (no Sul) nada deu certo. São coisas que acontecem", analisou.

Segundo o atacante, que ficou dois meses sem balançar as redes, o apelido de Gabigol não pesa e não traz mais pressão para marcar gols. "Não (pesa o apelido). Levo numa boa. Foi uma brincadeira que pegou de alguns amigos meus no futsal. Tinha muito Gabriel no time e colocaram esse apelido. Eu coloquei na internet e acabou pegando, então não é algo que pese", garante.

No Brasileirão, o Santos tem um jogo a menos, soma três pontos e está perto da zona de rebaixamento. O time da Vila Belmiro tenta se reabilitar da goleada sofrida para o Grêmio na última rodada e encara o Paraná no próximo domingo, na Vila Belmiro, pela sexta rodada.

Mais conteúdo sobre:
futebol Santos Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.