Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Gabriel Jesus compara campanha da Copa América à da Olimpíada de 2016

Atacante vê semelhança entre competições pelas vaias de torcida e crescimento da equipe

Almir Leite e Ciro Campos, enviados especiais a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2019 | 11h00

O atacante Gabriel Jesus, da seleção brasileira, comparou na madrugada desta quarta-feira a campanha do ouro olímpico dos Jogos do Rio à trajetória da equipe na Copa América. Depois de ser decisivo na vitória por 2 a 0 sobre a Argentina, pela semifinal, no Mineirão, o jogador citou que assim como foi em 2016, o Brasil está perto de superar as vaias e de conseguir um título no Maracanã.

"Na Olimpíada foi igual. O começo não foi tão bom, fomos vaiados nos dois primeiros jogos. Quase o mesmo cenário", afirmou o jogador. Em 2016, o Brasil iniciou com empates sem gols diante de África do Sul e Iraque, para depois reagir e terminar a campanha com a medalha de ouro. A conquista veio após bater a Alemanha, nos pênaltis, no Maracanã, após empate por 1 a 1 no tempo normal.

Gabriel Jesus se lembra com carinho da conquista no Maracanã e se apega à memória para confiar na possível repetição da festa no domingo. "Tomara que eu consiga ser campeão novamente. Aquela final foi nos pênaltis, foi difícil. Mas sempre vamos respeitar o adversário, seja Peru ou seja Chile. Acredito que será uma decisão importante para as duas equipes", comentou o atacante.

Nesta Copa América o Brasil recebeu vaias nos dois primeiro jogos. Contra a Bolívia, no Morumbi, a vitória por 3 a 0 ficou marcada por vaias no intervalo. Já no empate sem gols com a Venezuela, na Fonte Nova, a reprovação do público veio após o apito final. Houve ainda naquela noite até gritos de "olé" para ironizar a posse de bola venezuelana.

Autor de um gol sobre a Argentina nesta terça, Gabriel Jesus se recuperou do longo período sem marcar em partidas oficiais pela seleção brasileira. O atacante se tornou titular na Copa América depois do terceiro jogo da campanha, a vitória por 5 a 0 sobre o Peru, na Arena Corinthians.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.