Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Gabriel Jesus diz que sua dedicação cativa a torcida do Palmeiras

Eliminação não tira o brilho do garoto, que foi um dos destaques da equipe na Copinha e explica o motivo da idolatria dos torcedores

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2015 | 07h05

Apesar da eliminação do Palmeiras na Copa São Paulo, algumas coisas positivas podem ser tiradas da atuação da equipe na principal competição de base do País. Uma delas, foi a boa atuação do atacante Gabriel Jesus, confirmando que pode, de fato, ser um jogador útil para o time principal, embora tenha apenas 17 anos.  O carinho da torcida ele já conquistou e o jogador tem na ponta da língua o motivo do sucesso precoce com os palmeirenses.

"Sou um cara bem tranquilo. A gente trabalha na base para ser reconhecido e a torcida tem visto isso. Eu treino forte e me dedico ao máximo. Não sou um jogador, sou um atleta e cuido do meu corpo, por isso consigo ter disposição para ajudar tanto o meu time", disse o garoto, em entrevista exclusiva ao Estado logo após a derrota por 2 a 1 para o Botafogo de Ribeirão Preto, quinta-feira, na Arena Barueri.

Ao final da partida, ele foi o único atleta aplaudido pelos torcedores enquanto descia a escada que levava para os vestiários. A eliminação na semifinal da Copinha, na opinião do jogador, não deve atrapalhar seu desenvolvimento na equipe e uma futura promoção ao time principal.

"A gente entra em todos os campeonatos para ganhar, mas não acredito que essa derrota possa atrapalhar alguma coisa. Fico magoado e talvez não consiga dormir essa noite, mas agora é continuar o trabalho e pensar no futuro", disse o garoto, que após uma longa negociação, conseguiu renovar contrato com o Palmeiras e deve ser promovido pelo técnico Oswaldo de Oliveira.

Antes da ascensão ao time principal, Gabriel deve tirar férias. "Não sei o que vai ser depois das férias. Meu sonho é subir para o profissional, como todos os garotos aqui sonham e espero ter essa oportunidade. Agora, só sei que devo ter uns dias de férias e na volta, devo saber para onde vou", afirmou o garoto, que de uma hora para outra passou de mais um da base para uma das maiores promessas dos últimos anos do clube.

"Realmente foi tudo muito rápido, mas estou tranquilo. Foi uma experiência nova essa Copa. Primeira vez que jogo a taça e queria muito estar em campo no domingo (na final). Infelizmente não conseguimos, mas o torcedor pode ter certeza que não faltou raça e determinação", assegurou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.