Gabriel Jesus minimiza cansaço por compromissos com Palmeiras e seleção

Atacante diz aguentar maratona e deve ser titular contra a Bolívia, nesta quinta

Ciro Campos, enviado especial a Natal, O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2016 | 11h56

O atacante Gabriel Jesus disse não se importar com mais uma maratona entre os compromissos do Palmeiras no Campeonato Brasileiro e da seleção brasileira pelas Eliminatórias Sul-Americanas pata a Copa do Mundo de 2018. Às vésperas do confronto com a Bolívia, nesta quinta-feira, em Natal, o jogador de 19 anos afirmou que não sentirá cansaço na partida, mesmo após se reapresentar por último ao técnico Tite.

O palmeirense só chegou na capital potiguar na manhã de terça-feira, dia seguinte à vitória do time por 3 a 2 sobre o Santa Cruz, no Recife, pelo Campeonato Brasileiro. O último jogador a chegar na concentração participou do treino tático no mesmo dia, mas por recomendação dos médicos, se movimentou pouco. "Claro que existe um cansaço por conta do jogo, mas foi um treino tranquilo, deu para participar tranquilamente. Foi muito importante para já entrar novamente no esquema de jogo e acelerar o entrosamento novamente", disse Gabriel Jesus ao site oficial da CBF.

O camisa 9 da seleção foi preservado do trabalho, procurou correr menos e até para compensar o desgaste, Tite escalou um jogador extra para simular o posicionamento de Gabriel Jesus. Roberto Firmino foi o encarregado desse trabalho. Aos 19 anos, o titular da equipe pentacampeã mundial tem vivido uma intensa maratona de partidas. Em setembro, por exemplo, o Palmeiras fretou um jatinho para buscá-lo em Manaus e colocá-lo em campo contra o São Paulo logo no dia seguinte à partida pelas Eliminatórias contra a Colômbia.

Roteiro semelhante deve ser passar na próxima semana. No dia 11, o atacante defende o Brasil contra a Venezuela, em Mérida, para no dia 13, em Araraquara, provavelmente estar em campo contra o Cruzeiro. Por enquanto, o jovem jogador disse não pensar no Brasileirão, mas só nas Eliminatórias. "Não tem como ser diferente. Tem de virar a chave. Estar aqui é meu sonho e consigo diferenciar bem cada momento. Agora é focar na Bolívia. Não será um jogo fácil e precisamos muito desta vitória", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.