Hannah McKay/Reuters
Hannah McKay/Reuters

Gabriel Jesus pode ser o atacante titular mais novo após Pelé

Atleta do Manchester City completou 21 anos em abril e deve estar entre os 11 titulares do técnico Tite na estreia da Copa

Ciro Campos e Leandro Silveira, enviados especiais/Sochi, O Estado de S.Paulo

15 Junho 2018 | 07h39

O mais novo jogador do elenco de Tite carrega na Rússia uma das maiores pressões. Responsável por vestir a camisa número 9, Gabriel Jesus é o atacante mais jovem a ser titular do Brasil em uma Copa desde que Pelé espantou o mundo ao conduzir a seleção ao título do Mundial em 1958, na Suécia, com apenas 17 anos. Mas ele é precoce e já mostrou, em suas poucas temporadas como profissional, conseguir responder a qualquer desconfiança dentro de campo.

+ Experientes ou estreantes, 32 técnicos buscam a Copa do Mundo

+ Seleção de Tite troca 'jeitinho brasileiro' pelo futebol científico

+ Portugal aposta em um confiante Cristiano Ronaldo para enfrentar a Espanha

Com 21 anos e 2 meses, Gabriel Jesus supera por pouco a precocidade de Ronaldo, que chegou à Copa de 1998 com 21 anos e 8 meses. Outra diferença importante: já havia sido eleito duas vezes o melhor jogador do mundo, além de ter sido campeão em 1994 nos Estados Unidos, ainda com aparelhos nos dentes e no banco de reservas.Superar uma referência da história recente do futebol mostra o peso do feito que ele vai alcançar no domingo, quando entrar em campo para enfrentar a Suíça em Rostov-on-Don. “É claro que por não ter jogado Copa do Mundo você não tem experiência, mas todos aqui se conversam e se ajudam. Vamos enfrentar isso juntos”, afirmou.

Em Copas mais recentes, a camisa 9 esteve com a grande “estrela da companhia”: Ronaldo, em 1998, 2002 e 2006, Romário, que sempre preferiu a 11, em 1994. Depois, foi a vez dos experientes Luis Fabiano e Fred assumirem a função nas Copas de 2010 e 2014, respectivamente.

 

Há quatro anos, Gabriel Jesus pintava as ruas do Jardim Peri, na periferia paulistana, para torcer por jogadores que estão ao seu lado em campo na Rússia, como Thiago Silva, Neymar e Fernandinho. “Aqui me olham como um garoto, que eu sou, que vem querendo ajudar, como eu quero”, afirmou.

Só que a pouca experiência nunca foi problema para Gabriel Jesus, medalhista de ouro pelo Brasil na Olimpíada de 2016 e vice-campeão mundial sub-20 em 2015. Tratado no Palmeiras como prodígio, correspondeu imediatamente entre os profissionais, sendo eleito a revelação do Campeonato Brasileiro em 2015. No ano seguinte fez ainda melhor, tendo sido campeão e o craque do torneio, mesmo negociado com o Manchester City.

Esse sucesso imediato não é só fruto do talento nato de Gabriel Jesus, mas resultado do esforço diário do atacante. Logo nos seus primeiros passos entre os profissionais do Palmeiras, trabalhava finalizações enquanto os colegas descansavam após os treinamentos na Academia de Futebol, no mesmo esforço empreendido para se recuperar de lesões sérias no futebol inglês.

O brilho repentino se repetiu com a camisa da seleção brasileira. O jogo com o Equador, em setembro de 2016, era de estreia para Tite e também para Gabriel Jesus. E não poderia ter sido melhor, com dois gols marcados e a vitória por 3 a 0. Ali, conquistou a moral com o treinador, com quem não perderia nunca a titularidade, sendo artilheiro da equipe, com dez gols.

A avaliação na comissão de Tite é que Gabriel Jesus responde bem à pressão, como a imposta por Firmino, que teve até números melhores na temporada 2017/2018 europeia, com 27 gols em 54 partidas, enquanto o titular de Tite fez 17 em 42 compromissos. Foi assim nos recentes amistosos da seleção, quando Firmino marcou contra a Croácia e Jesus “deu o troco” diante da Áustria. “É uma briga muito sadia, que ajuda quem está jogando a evoluir”, afirmou.

Além do trabalho e do talento, Gabriel Jesus se apoia na família e amigos para suportar a pressão colocada nos ombros de um jovem de 21 anos. Em Sochi, “quartel-general”, sua mãe e amigos estão presentes. É o gás necessário para o prodígio mostrar o faro de artilheiro nos jogos mais importantes da sua carreira.

“Fico feliz que estejam aqui, porque sabemos o quanto a família é importante nos momentos felizes e tristes”, afirma Gabriel Jesus. “Como é jogar Copa do Mundo? Eu nunca joguei. Depois eu te conto”, conclui o atacante, prestes a iniciar esse novo aprendizado.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.