Rubens Chiri/São Paulo FC
Rubens Chiri/São Paulo FC

Gabriel Neves se surpreende com futebol brasileiro: 'Corro 3 quilômetros a menos'

'Aqui a ideia do treinador é manter a bola e fazê-la correr, por isso é outra intensidade', explicou o reforço tricolor

Redação, Estadão Conteúdo

02 de outubro de 2021 | 09h00

O volante Gabriel Neves, um dos últimos reforços do São Paulo para a temporada, ainda passa por processo de adaptação no clube e no País, mas já está encantado com a técnica do futebol brasileiro. Jogador com estilo de luta, daqueles que não para em campo, ele revelou que no Brasil corre "três quilômetros a menos por jogo."

E não tem nenhuma relação com preguiça ou falta de vontade. O jogador explicou que a forma de os times brasileiros atuarem, administrando a bola, fazendo a partida fluir, causa menos desgaste aos marcadores, que não precisam ficar "correndo como loucos" para lá e para cá.

"Estou muito feliz por estar no São Paulo. O futebol aqui é muito diferente, é mais intenso e me surpreendeu que corro ainda menos que no Uruguai. Corro três quilômetros a menos por jogo", afirmou o volante à rádio Sport 890, do Uruguai. "Aqui a ideia do treinador é manter a bola e fazê-la correr, por isso é outra intensidade."

No futebol uruguaio, na visão de Neves, as equipes querem buscar o gol a todo tempo, sem paciência, o que acaba com a bola não ficando no domínio de uma equipe. O jogo vira apenas correria. "Aqui é outra mobilidade. Eles querem jogar bola e tê-la, mas é difícil para eles marcarem ou correrem. São movimentos curtos para você ser uma opção de passe do meio para a frente."

Surpreso e encantado com os primeiros trabalhos no Brasil, Gabriel Neves vê o futebol verde-amarelo em outro patamar, a ponto de reconhecer a superioridade no continente. "Não é surpresa que os quatro times que estão na definição da Copa Libertadores (Flamengo x Palmeiras) e Sul-Americana (Athletico-PR x Red Bull Bragantino) sejam do Brasil", disse.

Gabriel Neves não foi relacionado nos dois últimos jogos do São Paulo por causa do excesso de estrangeiros no elenco. Galeano está sendo improvisado na lateral-direita e impedindo-o de ir às partidas. Mas ele não se chateia pois recebeu voto de confiança de Hernán Crespo.

"O Crespo falou comigo e disse que eu estou bem. A questão que complica para mim é a cota de estrangeiros. Estou me adaptando ao ritmo e é importante que o treinador me diga essas coisas, porque ajuda e motiva."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.