Reprodução/TV Premiere
Reprodução/TV Premiere

Gabriel pede desculpas por gesto obsceno em comemoração do gol corintiano

Volante afirma que 'estava no calor do jogo' e sua intenção não era ofender ninguém

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2017 | 14h58

Flagrado pelas câmeras de televisão comemorando o gol do Corinthians com um gesto obsceno para a torcida do São Paulo, no qual levava as duas mãos à região genital, o volante Gabriel pediu desculpas pelo ato em entrevista depois do empate por 1 a 1 no Morumbi, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. Segundo o jogador, a sua intenção não era ofender ninguém.

"Isso é comemoração do gol, estava no calor do jogo, acontecem muitas coisas, ofensas, mas isso é do futebol,. A gente estava comemorando perto da torcida, o torcedor estava nos ofendendo, fazendo gestos, xingando, mas até peço desculpas à pessoa, se ofendi, não era a intenção. Peço desculpas e ponto final", disse.

O técnico Fábio Carille afirmou que não viu a provocação de Gabriel, mas avisou que depois de analisar as imagens iria conversar com o jogador. "Se aconteceu, vai ser chamado a atenção na cobrança", disse.

O treinador, no entanto, fez questão de ressaltar que o ônibus do Corinthians foi atingido por pedras e pedaços de madeira na chegada ao estádio do Morumbi - o vidro do lado do motorista ficou trincado. Ele, inclusive, destacou que esse tipo de ataque é comum em jogos no Morumbi e lembrou de um episódio envolvendo Ronaldo Fenômeno, que defendeu o Corinthians entre 2009 e 2011, período em que Carille era auxiliar-técnico.

"A chegada aqui é sempre uma batalha. Mas, eu gosto disso, acorda ainda mais o meu time. Lembro quando fizeram isso com o Ronaldo, ele lá no fundo do ônibus disse 'putz, eles são burros, acabaram de me acordar'".

Já o técnico do São Paulo, Dorival Junior, disse que não viu a comemoração de Gabriel. "Não vi situação nenhuma. Do Gabriel, ainda não vi nada", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.