Gabriel sofre com a falta de espaço no ataque do Santos

Gabriel sofre com a falta de espaço no ataque do Santos

De esperança de novo craque para ajudar na conquista de títulos e depois tomar o rumo da Europa em troca de milhões de euros, Gabriel se tornou mais um jogador do elenco do Santos neste início de temporada. O técnico Enderson Moreira rasga elogios para o veterano Ricardo Oliveira - autor de um gol em seis jogos - , ensaia a entrada de Elano para fortalecer o meio, abrindo mão do atacante de referência contra adversários mais fortes, e se empolga com a possível chegada de Walter para o Campeonato Brasileiro, provavelmente trocado por Thiago Ribeiro.

Sanches Filho, Estadão Conteúdo

27 de fevereiro de 2015 | 18h53

A temporada passada começou bem para Gabriel. Como Leandro Damião só estreou na sexta rodada do Campeonato Paulista, o garoto deixou de ser atacante de lado, foi improvisado como centroavante por Oswaldo de Oliveira e se adaptou facilmente à nova posição. Depois que o reforço foi escalado, Gabriel perdeu espaço, mas continuou aproveitando as poucas oportunidades e terminou a temporada como artilheiro do time, com 21 gols em 56 jogos.

Agora, a vida não está fácil para ele. Ao retornar da seleção brasileira sub-20, Gabriel recusou um período de descanso proposto pelo treinador, mas se enganou. Enderson determinou que ele fizesse um trabalho especial para recuperar a força muscular e a confiança. E quando foi reintegrado ao grupo, em poucos treinos teve chance de entrar no time principal. Ficou no banco contra a Portuguesa e entrou nos minutos finais.

"Todo jogador é alvo de avaliação contínua. Gabriel ainda é um jogador novo e tem muita a crescer. Ele faz gols, mas o gol é a única situação. Há outras que são mais importantes. Ninguém chega tomando conta de um espaço. Então (Gabriel) vai ter que dar um passo para trás para depois ir para frente", disse Enderson.

Ao mesmo tempo, o técnico se mostra encantado pelo futebol de Walter. Ele lembrou que conhece o jogador, desde a base do Internacional em 2007 e destacou que o atacante, descontente no Fluminense, é sempre um dos primeiros a se apresentar para os treinamentos.

"Ele é inteligente e tem uma amplitude de campo que poucos têm. Agora, se vai dar certo, ninguém tem bola de cristal para definir. Tem chance boa de funcionar. Esperamos que possa prevalecer pela qualidade técnica, que está acima de outras coisas. Não podemos criar preconceitos. Tenho convicção de que se acontecer (a troca), Walter vai nos ajudar muito".

DESFALQUE

Com uma bolha no calcanhar esquerdo, o zagueiro David Braz não treinou nos dois últimos dias e pode desfalcar o Santos no jogo de domingo contra o Linense, no Pacaembu. Se ele não for liberado pelos médicos, Gustavo Henrique formará a dupla de zaga com Werley.
Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCGabriel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.