John Vizcaino/Reuters
John Vizcaino/Reuters

Galiotte desconversa sobre Borja no Palmeiras: 'Só falo quando estiver concreto'

Presidente evitar falar sobre a contratação do atacante

Ciro Campos, Estadao Conteudo

08 Fevereiro 2017 | 13h38

A possível contratação do atacante Miguel Borja, do Atlético Nacional, é assunto evitado pela diretoria do Palmeiras. Nesta quarta-feira, o presidente do clube, Maurício Galiotte, disse compreender a expectativa da torcida pela negociação com o colombiano, porém afirmou que somente vai dar detalhes sobre o assunto quando tudo estiver resolvido.

O jogador, destaque na conquista da Copa Libertadores do ano passado, disse em entrevista ao Estado na terça-feira que tem vontade de vir ao Palmeiras e comentou que sua família já está com as malas prontas para se mudar ao Brasil. "Por filosofia, não vamos externar absolutamente em relação a nomes ou negociações. Enquanto não tiver nada concreto da parte do Palmeiras, ou seja, o verde no branco, não falaremos sobre o tema", disse Galiotte.

O presidente concedeu entrevista coletiva para formalizar a renovação de contrato de patrocínio com a Crefisa pelas duas próximas temporadas. A empresa vai investir R$ 72 milhões neste ano e R$ 78 milhões em 2018, fora premiações por títulos conquistados. Galiotte e a dona da empresa, Leila Pereira, negaram a possibilidade de usar os recursos para a contratação do colombiano.

"A euforia do torcedor é algo contagiante, como temos acompanhado nos últimos dias pelas notícias. É um grande jogador, um grande clube como o Palmeiras tem interesse em todos os grandes jogadores. Nós, por filosofia, não falamos, não externamos nome ou informações até por questão estratégica", afirmou o presidente do Palmeiras.

O clube enviou representantes até Medellín, na Colômbia, para negociar com a diretoria do Nacional a possível vinda do reforço. O técnico interino do Nacional, Bernardo Redín, admitiu nesta terça o risco de perder o atacante e comentou sobre possíveis nomes que já analisa como substituto.

Mais conteúdo sobre:
BorjafutebolPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.