Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo
Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo

Galiotte promete recorrer à Fifa e ataca TJD: 'Não tem interesse em julgar'

Presidente do Palmeiras critica recusa de pedido para anular final do Campeonato Paulista e promete lutar nos bastidores

O Estado de S. Paulo

04 Maio 2018 | 15h54
Atualizado 04 Maio 2018 | 17h35

O presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte, atacou nesta sexta-feira a decisão do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP) de negar o pedido para anular a final do Campeonato Paulista. Em entrevista ao canal Fox Sports, o dirigente questionou a postura do tribunal e prometeu levar o caso até a Fifa para provar que houve interferência externa durante o jogo.

+ Tempo de mandato para presidente abre guerra no clube

+ Roger traça melhor campanha da Libertadores como meta

Nesta semana Galiotte foi denunciado por ofender o árbitro da final, Marcelo Aparecido de Souza, durante entrevista após o jogo, em que estava irritado e chamou o torneio de "Paulistinha". No contato com a emissora, Galiotte reiterou a opinião. "Falei 'Paulistinha e mantenho a minha posição. Aquilo que ocorreu naquele jogou perdeu a credibilidade. As pessoas não têm interesse em julgar", afirmou.

O TJD recusou o pedido de anulação do jogo por entender que o Palmeiras não cumpriu o prazo para reclamar da final. "A forma com que o TJD vem atuando nesse caso é muito curiosa. O tribunal não denunciou interferência externa. Não denunciou, mesmo com os vários fatos que provamos com vídeos, fotos, e encerraram o inquérito com asete dias, com várias evidências e contradições", disse.

Galiotte afirmou que não irá ao seu julgamento na próxima segunda-feira, quando poderá ser suspenso por até seis meses por desrespeitar o árbitro. "Não irei à sessão do julgamento. A forma com que o tribunal tem atuado é com total falta de interesse de apurar a verdade. Não merece a minha presença no tribunal", comentou o dirigente do Palmeiras.

O presidente prometeu brigar até as últimas instâncias para provar a interferência externa. "O caso é claro, evidente, tem muitas provas, evidências. É só existir boa vontade. Se for o caso, o Palmeiras pode, sim, ir até à Fifa”, afirmou Galiotte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.