Suhaib Salem/Reuters
Suhaib Salem/Reuters

Gallardo vê desatenção do River por título, mas diz que queda 'não mancha' ano

Técnico destaca título recente da Copa Libertadores e minimiza derrota para o Al Ain

Redação, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2018 | 20h25

O vexame protagonizado pelo River Plate nesta terça-feira, com a queda nas semifinais do Mundial de Clubes, teve ligação com a histórica conquista da Libertadores. Pelo menos foi o que considerou o técnico Marcelo Gallardo momentos após a derrota nos pênaltis para o Al Ain, nos Emirados Árabes Unidos. Para ele, o time argentino exibiu uma desatenção fruto ainda da vitória sobre o Boca Juniors.

"Foi muito forte o que alcançamos há pouco mais de uma semana, e todos estávamos em uma situação de felicidade e celebração, que em algum momento tínhamos de saber separar. Era uma partida perigosa para a gente, e, nestes momentos de desatenção, eles conseguiram empatar. Depois, passaram nos pênaltis", analisou.

De fato, há apenas nove dias o River alcançava uma das maiores glórias de sua história ao superar seu principal rival na decisão da Libertadores, na prorrogação, em confronto disputado em Madri. E até por tudo que cercou aquele duelo, Gallardo garantiu que a derrota desta terça não manchou o ano do clube argentino.


"A derrota sempre deixa ensinamentos, inclusive para nossos torcedores. Mas, apesar de tudo, o entorno de nossa equipe tem que seguir de festejo. Há pouco mais de uma semana, conseguimos algo histórico, e isto não mancha nada do que conseguimos", afirmou.


Gallardo ainda admitiu que o lado psicológico foi determinante para o River, que não conseguiu exercer em campo a superioridade técnica sobre o rival, classificado ao torneio por ter sido campeão dos Emirados Árabes Unidos. O técnico ainda fez elogios a um jogador adversário em especial, o brasileiro Caio, autor do segundo gol dos anfitriões.


"O grande tema era como focaríamos depois do feito alcançado, combater internamente esse problema. Porque vontade havia, entusiasmo também. O problema era o foco, a concentração para enfrentar um adversário tecnicamente inferior", apontou. "Não nos defendemos bem, o Caio era um dos mais perigosos que eles tinham. Conseguimos a virada, mas não sustentamos por desatenções ou decisões ruins."


Apesar da derrota, o River ainda não está de malas prontas para Buenos Aires. Afinal, lutará no sábado pelo terceiro lugar do torneio diante do derrotado do confronto entre Kashima Antlers e Real Madrid, que se enfrentam nesta quarta. Caso seja novamente batido, será o primeiro sul-americano da história a não ficar entre os três primeiros de um Mundial.

Mais conteúdo sobre:
Mundial de ClubesRiver Plate

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.