Gallo acha que Robinho fica no Santos

O técnico Gallo espera continuar contando com o futebol de Robinho e, na reunião que manteve nesta sexta-feira com o presidente Marcelo Teixeira, ouviu que o atacante só sai se algum clube depositar integralmente o valor da multa rescisória de US$ 50 milhões. Ou se houver acordo para a liberação do atleta depois da Copa do Mundo. O treinador acredita que essa posição do clube é uma evolução num país que vende barato seus jogadores para o exterior. "O Samuel foi vendido por 28 milhões de dólares, um zagueiro comum. Então, é complicado vender hoje por esse valor o maior jogador do mundo, no meu entender, uma pérola, um atleta de frente". Ele se referia aos 15 milhões de euros oferecidos pelo Real Madrid ao Santos na quarta-feira pelos empresários Juan Figer e Wagner Ribeiro. Gallo lembrou que o presidente Marcelo Teixeira tem o poder de decisão quanto a Robinho. Perguntado sobre as últimas declarações do atacante, o treinador comentou. "Não posso responder porque não ouvi isso do Robinho, é só especulação em cima de notícias e a grande maioria das notícias não são verdadeiras. Conversei com ele aqui e me disse que tinha vontade de jogar na Europa como todo jogador. Isso é inevitável. Mas a situação continua a mesma e a idéia é que ele fique". No caso de permanecer no Santos, o jogador tem que continuar atuando bem, com vistas à Copa do Mundo, explicou Gallo. "Nós acreditamos na índole e na capacidade dele e as coisas devem continuar normais". E deu uma cutucada no empresário do atacante. "O Wagner Ribeiro não é a palavra de Robinho". Para o jogo deste domingo contra o São Caetano, o Santos terá a volta do lateral-direito Paulo César, que estava afastado havia um mês por contusão. Gallo também poderá contar com Deivid, julgado nesta sexta-feira pela sua expulsão no jogo contra o Fluminense. Ele pegou um jogo de suspensão, já cumprida. Também o clube foi absolvido pelos objetos jogados em campo na mesma partida e a Vila Belmiro não será interditada. É que os responsáveis foram identificados no ato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.