Gallo continua no Santos. Até domingo

A presença do técnico Alexandre Gallo, nesta quinta-feira à tarde, no Centro de Treinamentos Rei Pelé, para orientar o jogo-treino dos jogadores reservas contra o Santos B, desmentiu a série de boatos dando conta de sua demissão que tomou conta da cidade desde a derrota por 1 a 0 contra a Ponte Preta, na Vila Belmiro. Apesar da seqüência de três derrotas - o time é o quinto colocado na classificação, a oito pontos da líder Ponte - e da forte pressão da torcida, que pediu um novo técnico e a contratação de jogadores durante e depois do jogo de quarta-feira, o presidente do clube, Marcelo Teixeira, resolveu manter Gallo. Mas isso não quer dizer que ele terá longa vida no cargo. Mesmo com uma vitória contra o favorito Corinthians, no clássico de domingo, na Vila Belmiro, Gallo sairia para dar lugar a Estevam Soares, Abel Braga ou Tite.O que está pesando contra Gallo é que os dirigentes, à exceção do presidente, acham que ele perdeu o pulso e já não consegue transmitir segurança ao time. Teixeira também não tem gostado do trabalho do técnico, mas o motivo do sua desaprovação é outra. É que Gallo vem cobrando com insistência a contratação de jogadores de qualidade equivalente aos que foram embora, como Deivid e Léo, além de bom goleiro e pelo menos um zagueiro para arrumar a defesa.Teixeira pensa diferente. Na segunda-feira, ele disse num programa esportivo de sua emissora de televisão, a Santa Cecília, que Gallo tem que parar de pedir grandes contratações, montar um time e obter resultados com os jogadores que tem à disposição. Na Assembléia do Conselho Deliberativo, na noite de terça-feira, Teixeira pediu paciência aos conselheiros, alegando que o Santos passa por um período de transição. "Não esperávamos perder os jogadores que estamos perdendo como Deivid, Robinho, Léo e Leonardo e a formação de um novo time leva tempo", explicou. "Não vamos repetir os erros do começo da minha gestão, contratando jogadores de nome que só sugam o clube. Vamos formar um time com jovens, como aquele de 2002, usando jogadores do time B, mesclados com alguns de maior experiência, como Léo Lima." Teixeira sonha com um técnico capaz de repetir o feito de Leão em 2002, formando um time identificado com o clube usando jogadores da base, não levando em conta que não há nas equipes de base jogadores nem de longe parecidos com Robinho, Diego, Elano, Alex e outros. Como também não há no mercado um técnico com perfil para formar um time vencedor, basicamente com jovens, num campeonato que já está na 14.ª rodada.Após a derrota contra a Ponte Preta, Gallo voltou a dizer que tem conversado com a diretoria sobre a necessidade de contratar pelo menos três jogadores com condições de substituir, sem prejuízo, os titulares que foram embora. "Sei que os dirigentes estão trabalhando nesse sentido mas está difícil contratar porque os bons jogadores que estão no Brasil já disputaram sete jogos por suas equipes e mesmo lá fora os valores pedidos estão fora da realidade", afirmou.Gallo tem consciência de que o quadro atual pode piorar ainda mais, porque o desmanche do Santos não chegou nem na metade. São cada vez mais fortes os comentários que Ricardinho, Bóvio, Paulo César e Zé Elias serão os próximos a deixar a Vila Belmiro. Porém, quando esses jogadores estiverem de saída, o técnico já deverá ser outro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.