Gallo impõe linha-dura no Santos

O novo técnico do Santos, Gallo, deixou claro no seu primeiro dia de trabalho, hoje à tarde, sob chuva intensa, no Centro de Treinamentos Rei Pelé, que vai exigir disciplina e muito trabalho dos jogadores para que o time se classifique à segunda fase da Copa Libertadores da América. Sua primeira providência foi ´apagar´ o início de incêndio entre o atacante Deivid e o zagueiro Ávalos, que se desentenderam após a derrota por 3 a 2 diante do Santo André, quarta-feira à noite, no estádio Bruno José Daniel. Só no treino de amanhã cedo, Gallo vai começar a pensar no time para enfrentar a Internacional, de Limeira, sábado às 16h, na Vila Belmiro, mas Tcheco, recuperado da bronco-pneumonia, deve jogar. "Temos que melhorar em todos os sentidos", disse o técnico, que reuniu os jogadores no meio do campo 3 e falou durante 15 minutos."Precisamos evoluir física, técnica e taticamente. Para recuperar o time, seriam necessários uns 40 dias, só que estou precisando dessa melhora para ontem." Na conversa com o grupo, Gallo disse que já conhece alguns jogadores com os quais trabalhou até no início deste ano e durante todo período em que Vanderlei Luxemburgo dirigiu o time. "Só que agora estou voltando como técnico e ninguém vai ter privilégios. Vou exigir sempre muito trabalho e vou fazer cobranças em alto nível para que o Santos volte a ser um time aguerrido. Essa é a minha cara." Quando o jogo em Santo André terminou, houve troca de acusações entre alguns dos principais jogadores. Deivid saiu transtornado de campo e dizendo que "estava faltando vergonha na cara a alguns jogadores." Ao tomar conhecimento das declarações de Deivid, Ávalos reagiu. "Não adianta um jogador ficar fazendo esse tipo de acusação, que não ajuda em nada. Principalmente Deivid, que é um dos jogadores mais experientes do grupo e nessas horas tem que ter a cabeça no lugar." No discurso de apresentação, hoje à tarde, Gallo disse que não vai tolerar esse comportamento. "Foi a última vez que isso aconteceu. Nossos problemas terão que ser resolvidos internamente", avisou. As suas mudanças são abrangentes e começam com a obrigação do uso de caneleiras em todos os treinos com bola. "Para mim, treino é jogo e jogo é guerra." Adiantou que as concentrações vão começar mais cedo e que a partir de segunda-feira o time vai voltar a fazer uma intertemporada em Atibaia, só saindo para enfrentar o União São João, em Araras, na quinta-feira da próxima semana, e para enfrentar o São Paulo, no dia 3 de abril, na Vila Belmiro. E garante que enquanto houver chances matemáticas, o Santos vai jogar sempre com o que tem de melhor. "O São Paulo abriu uma vantagem importante, mas não podemos desprezar as nossas chances. Além disso, quem joga no Santos tem que ter sempre motivação, independente das circunstâncias, porque está defendendo um dos times mais famosos do mundo." Isso foi o que Gallo falou na coletiva de imprensa, mas internamente o Santos já jogou a toalha e os próximos jogos do Campeonato Paulista servirão como preparação para a Copa Libertadores da América e para o Campeonato Brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.