Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Gallo não se abala com ameaça no Santos

Até mesmo um técnico com anos de experiência estaria inseguro, desanimado ou irritado se estivesse no lugar de Alexandre Gallo, diante das pressões que vem sofrendo da torcida e das insistentes notícias de que está para cair. Mas ele não se abala. Aos 39 anos, e mesmo estando no início da carreira - antes do Santos, treinou o Vila Nova-MG e a Portuguesa e foi auxiliar de Vanderlei Luxemburgo em 2004 -, Gallo não se altera quando alguém pergunta se sente-se ameaçado. "Se existe esse risco quem pode responder é a direção. Nas reuniões tenho recebido apoio", afirma. "Gosto do trabalho que estou fazendo no Santos, mas não me apego a emprego. Escolhi essa profissão, mesmo sabendo os riscos que ela oferece e, por isso, não perco a tranqüilidade". Ele se mantém indiferente diante dos fortes comentários de que "alguém da diretoria do Santos" já conversou com Estevam Soares, preparando o terreno para que assuma o time nos próximos dias e diz ser bobagem falar em ética no futebol. Nos tempos de jogador, sempre teve ascendência sobre os companheiros. Cabralzinho, técnico do Santos vice-campeão brasileiro de 1995, contou recentemente que era Gallo quem ?acordava? Giovanni em campo, a grande estrela daquela equipe. Agora como técnico, ele procura sempre preservar os jogadores. Não se queixa dos antecessores e nem dos problemas que enfrenta. ?Há situações que machucam, como aquela derrota para o Vasco. Fomos mal demais. De resto, não tenho do que me queixar dos jogadores porque jogamos bem diante do Cruzeiro, em Minas, e não merecíamos perder da Ponte Preta".A esperança de Gallo é de que neste domingo contra o Corinthians, um time ofensivo que joga e dá espaço para o adversário, a sua equipe tenha melhor sorte. "Se a equipe jogar como diante da Ponte Preta, teremos chances de vencer e já estarei satisfeito".O que Gallo mais tem feito nos últimos dias é se defender das acusações de que pediu a contratação de jogadores sem condições para serem titulares do Santos. "O que muita gente não entende é que um elenco é composto de jogadores de alto nível, de bons reservas e de alguns outros para compor o grupo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.