Gallo quer de volta ?espírito vencedor?

O técnico Gallo assumiu nesta quarta-feira o cargo de treinador do Santos e irá assistir ao jogo contra o Santo André ainda nesta quarta-feira para ver mais de perto o que precisa mudar. "As mudanças terão de acontecer porque o time não está conseguindo os resultados que seu nível técnico requer", disse ele, informando que vai ter de contar pelo menos nas próximas partidas com o mesmo grupo de jogadores e, por conta disso, a diferença que pretende é na postura dentro de campo. "Nós temos de mudar o espírito da equipe atuar, trazer de volta o espírito vencedor do time de 2004".Para Gallo, não basta ter jogadores de alto nível. "Eles precisam querer ser um atleta de alto nível e o querer no futebol talvez seja mais importante do que ser", filosofou. Por conta disso, vai exigir dos jogadores a manutenção do padrão técnico, mas quer também muita garra e determinação, coisas que faltaram nos tempos de Oswaldo de Oliveira, demitido na segunda-feira.Gallo trabalhou como auxiliar-técnico do Santos até assumir recentemente o comando da Portuguesa de Desportos e, por isso, conhece muito bem o grupo de jogadores. Esse foi um dos motivos que pesaram em sua contratação, já que não precisará de tempo para conhecer o elenco e já manteve reunião nesta quarta-feira para passar o que pretende daqui para a frente. Serginho Chulapa estará no comando do jogo desta quarta-feira e vai ser mantido no cargo de auxiliar de Gallo.O novo treinador não admite que tenha sido contratado para tocar o time no restante do Paulista, num mandato ?tampão?, enquanto a diretoria aguarda uma dança de técnicos para ter Vanderlei Luxemburgo ou Emerson Leão novamente. "Eu jamais admitiria uma conversa em relação a esse tipo de contratação, não é de minha personalidade agir dessa maneira. Vim para cá com contrato até o final do ano, pretendo cumprir, impor meu ritmo de trabalho, mas ser tampão jamais passaria pela minha cabeça".Ele disse que jamais aceitaria o cargo momentaneamente para preparar um situação para outra pessoa. Comentou que não deixaria a Portuguesa por um contrato desse tipo. "O projeto lá é bom, o pessoal tem honrado com seus compromissos e aceitei vir para o Santos porque já conhecia o plantel, tinha feito todo um trabalho junto com o Vanderlei, e também pela busca profissional. Estou tendo um grande ganho em minha carreira pelo lado profissional".História - O contrato de Gallo vai até o final do ano e o vice-presidente Norberto Moreira da Silva manifestou a intenção de mantê-lo no cargo até o final do contrato. "O Gallo tem uma afinidade muito grande conosco, primeiro como atleta, depois como auxiliar-técnico e ele é o técnico contratado pelo Santos", disse o dirigente. Mas se houver uma rescisão antes desse prazo, não há multa prevista.Isso, segundo o técnico, não é problema. "Acho que a cláusula de segurança de um profissional de alto nível é sua competência. Se ele é competente, acredita em seu trabalho, vai fazer essa situação acontecer". Outro ponto que pesou foi o conhecimento de longa data que tem com o presidente Marcelo Teixeira. Há 14 anos, Teixeira comandava o clube e Gallo era o volante e capitão do time.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.